VOCÊ ESTÁ AQUI:
  • Cheia do rio Madeira já preocupa Rondônia e Acre e na Bolívia chuvas intensas não param
Cheia do rio Madeira já preocupa Rondônia e Acre e na Bolívia chuvas intensas não param
  • Fonte: Da Redação - (Marcos Souza) - Fotos: PRF/Google Imagens
  • Publicada em 11/01/2018 às 20:19
A previsão é de que as chuvas permaneçam a cair intensamento pelas próximas semanas, e a cheia já é  uma preocupação que afeta tanto Rondônia quanto o Acre.

A imagem ou imagens do dia e da semana é o vislumbre terrível da erosão ruindo parte do acostamento da BR 364, entre Abunã Novo e Abunã Velho, na região de Mutum, no Km 876, a 200 quilômetros de Porto Velho, no trecho que liga Rondônia ao Acre. O desbarrancamento causado pelo rio Madeira cheio já chegou na linha do asfalto e falta pouco para que tome conta da pista. De acordo com aferição realizada nesta quinta feira (11), o nível do rio está a 19,90 metros, em um estágio que se aproxima da grande cheia de 2014, o que preocupa autoridades.

A preocupação se dá também porque o trecho da BR 364 é estreito e mesmo sendo monitorado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) e pela Polícia Rodoviária Federal – no que condiz na segurança da pista – o rio parece tomar conta.

A previsão é de que as chuvas permaneçam a cair intensamento pelas próximas semanas, e a cheia já é  uma preocupação que afeta tanto Rondônia quanto o Acre. Já existe um plano de mudar parte da operação da Usina da abertura das comportas das usinas do Madeira, permitindo que ocorra a vazão da água vinda das cabeceira do rio Madeira.

A cheia do rio Madeira já preocupa até a administração de Porto Velho, nesta sexta-feira (12), o prefeito Hildon Chaves, vai falar com a imprensa a respeito do plano de contingência que a Prefeitura elabou através da Defesa Civil, a intenção é não ser pego de surpresa, mas já ter as ações emergenciais engatilhadas caso sejam necessárias.

Ainda na sexta-feira, o prefeito, junto com o chefe da Defesa Civil Municipal, Marcelo Santos e do chefe da Defesa Civil do Estado, Coronel PM Chianca, devem sobrevoar a capital e principalmente as regiões ribeirinhas, com os distritos de São Carlos, Nazaré, Demarcação entre outros, para ter uma noção da cheia do rio Madeira, pois já tem um alerta emergencial deflagrado pela Defesa Civil Municipal, com a cota em emergência, de 14 metros, podendo ser atingida já neste final de semana na Capital.

ENQUANTO ISSO NA BOLÍVIA

Na grande cheia que ocorreu em Porto Velho em 2014 afetando o Acre também, teve vazão com os excesso de chuvas na Bolívia, onde ficam as cabeceiras do rio, na ocasião o Serviço Geológico do Brasil, que monitora a vazão do Rio Madeira, acabou contrariando estudiosos e ambientalistas, ao eximir a culpa da cheia do rio com a operação das usinas hidreolétricas de Santo Antônio e Jirau. Naquele momento foi dito que na Bolívia choveu acima da média durante meses, principalmente em janeiro e fevereiro, como ocorre neste momento.

Diante do quadro atual do que ocorre na Bolívia, as expectativa são de risco, pois até esta quinta (11) as chuvas que vem ocorrendo naquele país Bolívia afetaram mais de 10 mil famílias em cinco departamentos do país, enquanto o Serviço Nacional de Meteorologia e Hidrologia (Senamhi) previu que as chuvas continuarão nos próximos dias em todo o território nacional.

O Serviço Nacional de Meteorologia e Hidrologia (Senamhi), em seu site institucional alertou que as chuvas permanecerão na maior parte do país até esta sexta-feira, embora com menor intensidade.

No entanto, o alerta para a inundação de rios permanece. Trata-se dos rios Ichilo, Chapare, Isiboro, Ivirgarzama, Chimoré, Sécure, Tijamuchi, Alto Beni, Tipuani, Mapiri, Coroico, Beni, Paraí e Yapacaní. Esses afluentes pertencem a bacias dos departamentos de La Paz, Beni, Cochabamba e Santa Cruz.

Em Rondônia as condições em relação a intensidade das chuvas e o nível do rio Madeira estão em alerta emergencial.

 


 

 

  • Atualizada em 11/01/2018 às 20:19:25