VOCÊ ESTÁ AQUI:
  • PSL de RO ainda vai decidir rumo após saída do Grupo Livres e filiação de Bolsonaro
PSL de RO ainda vai decidir rumo após saída do Grupo Livres e filiação de Bolsonaro
  • Fonte: Da Redação - (Marcos Souza) - Foto: Exame
  • Publicada em 08/01/2018 às 20:08
Até o momento a cúpula regional do partido ainda não tem posicionamento a respeito dos rumos que o PSL irá tomar com a entrada de Bolsonaro

Ainda está dando pano para as mangas a filiação do deputado federal Jair Messias Bolsonaro (PSC/RJ) ao PSL, ocorrida na última sexta-feira (03), o que acabou acarretando o racha dentro da legenda com a saída do Grupo Livres, que divulgou uma nota relatando que a decisão do partido foi à revelia dos interesses do grupo.  No entanto, vale esclarecer sobre a filiação de Bolsonaro à sigla “liberal” que ela só será fechada durante a janela partidária, que vai ocorrer em março, evitando assim que o seu mandato seja cassado. E a candidatura dele para a intenção de ser presidente da república só será definido em agosto, durante a convenção do partido.

O reflexo dessa filiação em Rondônia ainda não foi sentida pelo partido e seus filiados, pois de acordo com Augusto Pellucio, presidente regional do PSL, a vinda de Bolsonaro para a legenda foi uma surpresa inclusive para ele, assim como a saída do Grupo Livres, logo em seguida.

“Quando assumi o PSL, entrei pelo projeto de renovação do Livres no partido. A chegada do Bolsonaro no PSL foi uma surpresa para mim e a saída de vários núcleos do Livres estaduais do PSL, aconteceu nos últimos dias. Como sou presidente estadual do PSL/LIVRES Rondônia, não vou decidir antes de reunir os integrantes de todo estado”, disse Augusto.

Até o momento a cúpula regional do partido ainda não divulgou qualquer posicionamento a respeito dos rumos que o PSL está tomando com a entrada de Bolsonaro, porém haverá um encontro em Ji-Paraná no sábado que vem, onde a questão será colocada em pauta e discutida.

“Fiz reuniões em várias cidades do estado e na nossa base temos simpatizantes pelo Bolsonaro e liberais que se opõe, todos tem direito participar dos rumos do partido. Por isso, a executiva do PSL/LIVRES Rondônia decidiu por um grande encontro em Ji-Paraná de todos os líderes rondonienses no próximo sábado, dia 13/01 e após essa reunião, anunciaremos as nossas decisões e eu, particularmente, anunciarei o meu posicionamento”, completou Augusto Pellucio .

SOBRE A FILIAÇÃO E “LIVRES”

É sabido que o primeiro alvo de filiação de Jair Bolsonaro não era o PSL, mas sim o PEN/Patriota, mas por uma questão de estratégia o deputado federal acabou optando pelo liberal. Bolsonaro ressaltou que não havia garantia de que a sua filiação ao PEN/Patriota lhe garantia uma disputa a candidatura à presidência.

No entanto, para que Bolsonaro pudesse aceitar o convite do presidente nacional da sigla, Luciano Bivar, ele teve que abaixar uma de suas guardas e concordou com a simplificação tributária, um dos pontos intocáveis de Bivar em relação as propostas do partido.

Não se sabe ainda se o PSL deu um tiro no próprio pé, pois com isso, o Grupo Livres, que já havia estruturado 200 núcleos pelo país e dava uma boa base para a legenda, saiu e deve definir em 15 dias em qual partido vai levar os seus candidatos.

PARTIDO LIBERAL E CONSERVADOR

Para o cientista político de Rondônia, João Paulo Viana, a filiação do Bolsonaro ao PSL foi um fato que impressionou exatamente pela questão da renovação que o partido tinha com o movimento do ‘Livres”, até mesmo por lidar com assuntos polêmicos, como a legalização da maconha e a união civil homoafetivo.

“De fato impressiona porque havia um movimento do Livres de renovação do partido, que tem no ponto de vista dos valores morais uma agenda bastante progressista, com temas  espinhosos, como: legalização da maconha e a união civil homoafetivo, que eram tratados com uma visão bastante progressista por parte dos membros do ‘Livres’,  que seria uma tentativa de renovação do PSL. Então a partir do momento que a cúpula do partido, principalmente o seu presidente, Luciano Bivar, eles aceitam o Bolsonaro, entregam o partido para uma candidatura presidencial Bolsonaro, de fato me parece que fica um tanto paradoxal e bem contraditório em relação a essa agenda que o Livres mantinha de renovação do PSL”, apontou o cientista político.

João Paulo não deixou de relatar que existe um contrasenso dentro da própria sigla sobre a suas diretrizes partidárias que se mostra liberal, porém também conservador.

“Então o partido se demonstrou bastante conservador no tocante a valores morais. É um partido liberal conservador. Liberal no âmbito econômico e conservador ao extremo no ponto de vista das questões morais. Então acredito que naturalmente os membros do ‘Livres’ deva migrar para outra legenda ou tentar fundar um partido”, concluiu João Paulo Viana.

QUESTÃO IMOBILIÁRIA

Para apimentar ainda mais o noticiário sobre Bolsonaro, a Folha de S. Paulo divulgou nesta segunda-feira (08/01) que tanto ele quanto um de seus filhos, Eduardo Bolsonaro (PSC/RJ), os dois possuem imóveis em Brasília, porém recebem o auxílio-moradia no valor de R$ 6.167 mensais.

Sendo que Jair recebe o auxílio da Câmara desde 1995, e Eduardo recebe desde 2015, quando ele tomou posse em seu primeiro mandato como deputado. No total, os dois já ganharam o valor de R$ 730 mil, já descontado do Imposto de Renda.

O apartamento de Jair foi adquirido no fim da década de 90, mas ele só veio a ficar pronto no começo de 2000. O imóvel dispõe de dois quartos e tem 69m².

Além desse apartamento em Brasília os dois têm mais de 12 imóveis no Rio de Janeiro, sendo que boa parte foi adquirida nos últimos dez anos, apontou a Folha de S. Paulo.

  • Atualizada em 08/01/2018 às 20:08:06