Living

TJ-PR revoga medidas cautelares contra Dalledone – Gazeta do Povo

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Uma decisão em caráter liminar do desembargador substituto Benjamim Acácio de Moura e Costa, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), revogou as medidas cautelares contra o advogado criminalista Cláudio Dalledone Junior. Entre as medidas estava a determinação para o uso de tornozeleira eletrônica.
Receba as principais notícias do Paraná pelo WhatsApp
Dalledone e outras 13 pessoas foram condenados em penas que variam de quatro a 11 anos de reclusão, por uma suposta fraude envolvendo indenizações pagas pela Petrobras, que deveriam ter sido revertidas a pescadores de Paranaguá (PR) por desastres ambientais registrados nos anos de 2001 e 2004, mas que segundo a Justiça foram desviadas.
Dalledone foi condenado a 11 anos de prisão em sentença da 1ª Vara Criminal de Paranaguá na semana passada sob acusações de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo o magistrado de primeiro grau, o advogado sabia do esquema criminoso envolvendo as verbas indenizatórias.
A liminar que revogou os efeitos de medidas cautelares foi publicada na noite de terça-feira (9). O desembargador manifestou “ilegalidade contida na sentença preferida pelo juízo” e destacou que o Ministério Público  do Paraná (MPPR) não pediu a aplicação de medidas cautelares e que, “assim como no caso da prisão preventiva, a imposição de medidas cautelares como a tornozeleira eletrônica sem a devida provocação do Ministério Público ou da autoridade policial representa uma violação ao princípio do devido processo legal”.
Na sentença de prisão pela Justiça de Paranaguá, o juiz determinou a possibilidade de Dalledone recorrer em liberdade com a utilização de tornozeleira eletrônica. Para o desembargador que concedeu a liminar, em “hipótese alguma, pode ser utilizada como antecipação de cumprimento de pena, pois é imprescindível o enquadramento dos requisitos legais para se valer da medida excepcional, sob pena de violar o princípio da presunção de inocência”.
O advogado Dalledone, conhecido por atuar em casos de repercussão nacional, afirmou que esta foi apenas uma das vitórias esperadas, referentes ao caso, e reiterou que apenas atuou como advogado representando um de seus clientes. “Estou muito tranquilo porque a Justiça será feita e esta ação será integralmente reformada. Eu não tenho nenhuma relação com os fatos criminosos que tiveram como vítimas os pescadores de Paranaguá. E não tenho dúvidas que esta decisão contra mim não vai se sustentar no Tribunal de Justiça”, avaliou Dalledone.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source

Shares:

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *