Destaques Rondônia

5ª edição do Concafé em Rondônia há 35 mulheres e 14 indígenas de três etnias na disputa

Foto: Weyne Sharp

Os preparativos para a 5ª edição do Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia (Concafé) estão evoluindo, e mesmo com o período de pandemia, os cafeicultores do Estado não deixaram de inscrever suas amostras no concurso. Nesta edição, 214 cafeicultores se inscreveram para participar do 5° Concafé.

A coordenação do Concafé recebeu amostras de 30 municípios de Rondônia, abrangendo todas as regiões, com destaque para os municípios de Cacoal, Nova Brasilândia do Oeste e Seringueiras que tiveram as maiores quantidades de inscrições. Também foram recebidas 35 inscrições de mulheres e 14 de indígenas das etnias Suruí, Aruá e Tupari.

As amostras e inscrições recebidas foram triadas e codificadas para posteriormente iniciar as análises, com o intuito de garantir a isonomia do Concafé. As informações das amostras são mantidas em sigilo pela coordenação do evento e os classificadores e provadores das amostras não têm acesso a tais informações.

Na semana do dia 8 a 11 de setembro de 2020, as amostras foram submetidas a classificação física, que analisa o teor de umidade, granulometria e faz a contabilização de defeitos dos grãos de café.

Classificador da Idaron, Ronyston Viali, analisando as amostras de café / Fotos: Weyne Sharp

A classificação física foi realizada no Laboratório de Qualidade do Café do Instituto Federal de Rondônia (Ifro), Campus de Cacoal, por classificadores oficiais da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron) credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). As amostras que atingirem o tipo 6 para melhor (o café classificado do tipo 2 ao tipo 8, sendo o tipo dois o melhor) seguirão para a análise sensorial.

Segundo o classificador da Idaron, Ronyston Viali, as amostras entregues de café têm apresentado boa qualidade e com poucos defeitos. “Essa classificação traz mais credibilidade ao concurso e mostra o empenho dos produtores interessados em melhorar cada vez mais a qualidade do seu café. Com a identificação dos defeitos físicos, o produtor consegue verificar onde deve melhorar para buscar mais qualidade para seu café”, explicou.

O secretário da Seagri, Evandro Padovani, destacou que o Concafé é uma vitrine da cafeicultura de Rondônia. “Cada vez mais os cafeicultores estão melhorando suas práticas de colheita e pós-colheita que agregam qualidade aos grãos. Estamos trabalhando em conjunto com a Câmara Setorial do Café para buscar por mais valorização dos cafés de melhor qualidade como forma de reconhecimento do trabalho dos cafeicultores”, disse.

Os cafés que se enquadrarem do tipo 6 para melhor, seguirão para a análise sensorial que será realizada por profissionais com formação Q Robusta Grader, seguindo protocolo internacional. A equipe de juízes do Concafé será composta por três profissionais sendo um de Rondônia, um do Espirito Santo e um do Paraná. A análise sensorial será realizada no período de 14 a 19 de setembro de 2020 em Cacoal-RO.

Seagri