Amazônia Brasil

À beira do colapso por coronavírus, Amazonas tem 95% de ocupação de UTIs e respiradores

Governador diz ter fôlego para mais uma semana; estado é um dos quatro que caminham para aceleração descontrolada

Com pouco mais de cem casos novos de Covid-19 a cada dia, o Amazonas está com 95% dos seus leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e respiradores da rede pública ocupados, admitiu na terça-feira (7) o governo estadual.

Na avaliação do Ministério da Saúde, o Amazonas é um dos quatro estados com indícios de transição para a fase de aceleração descontrolada de casos, ao lado de Ceará, São Paulo e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal.

“A taxa de ocupação de 95% [das UTIs] está também correlacionada com o número de respiradores”, disse a chefe do departamento de Ações de Saúde da Secretaria de Saúde (Susam), Nayara Maksoud, em entrevista à imprensa.

Nesta terça, o Amazonas contabilizou 104 novos casos confirmados, chegando a 636 infectados pelo Sars-CoV-2, com 23 óbitos.

Há 256 pacientes com Covid-19 internados nas redes privada e pública, tanto em leitos clínicos quanto de UTI, o que representa 40% de todos os casos.

Os novos registros da terça-feira incluem três indígenas da etnia kokama, em Santo Antônio do Içá, município na calha do rio Solimões. Já havia um caso de indígena confirmado na região. A origem do foco é um médico branco da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena).

Nas UTIs públicas de Manaus, a única cidade com esse recurso no Amazonas, há 18 internados confirmados com o novo coronavírus e outros 41 suspeitos e com quadro de síndrome respiratória aguda grave. Todos precisam de respirador.

“Alguns desses suspeitos em UTI podem estar com algum desses vírus [Influenza e outros], o que não torna a situação menos grave. Temos leitos de UTI sendo utilizados por esses pacientes, o que pode dificultar a internação em UTIs por pacientes com Covid-19”, afirmou a diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Rosemary Costa Pinto, na mesma entrevista.

Na rede pública de Manaus, há 106 respiradores espalhados por quatro unidades hospitalares, segundo o governo estadual. No estado, contam-se ao todo 500 aparelhos do tipo nas redes privada e estadual, segundo o governo estadual.

Procurado, o governo do Amazonas não explicou qual é a correlação entre o número de leitos de UTI e de respiradores.

Em entrevista à Rede Amazônica, afiliada da TV Globo, o governador Wilson Lima (PSC) disse nesta terça que “temos fôlego para mais uma semana”. Para evitar o colapso, o governo está preparando um segundo hospital em Manaus para atender casos de Covid-19. A previsão é de começar a receber pacientes dentro de dez dias.

Na semana passada, o governo instalou dois contêineres frigoríficos para armazenar corpos no hospital Delphina Aziz, a unidade de referência para Covid-19 no Amazonas.

FOLHA PRESS