Connect with us

Hi, what are you looking for?

Mundo

Abril marca início da produção acelerada de vacinas contra a Covid-19 na Europa

A União Europeia, extremamente criticada pela lentidão de sua campanha de vacinação, tenta se agilizar para cumprir os calendários de imunização

UOL

Países europeus se preparam para a fabricação em massa de vacinas contra a covid-19. Laboratórios farmacêuticos e fornecedores anunciaram a produção de mais de 300 milhões de doses em 2021.

A França se prepara para produzir as primeiras vacinas em seu território, depois de perder a corrida do desenvolvimento científico para os Estados Unidos, Alemanha, Rússia e China. Os primeiros frascos de imunizantes da Moderna e da Pfizer/BioNTech destinados à comercialização, inicialmente previstos para março, devem sair, nos próximos dias, de duas fábricas localizadas no Vale da Loire, a cerca de 200 quilômetros de Paris.

O processo industrial na França será de preparação do soro, envase, embalagem, controle de qualidade e distribuição. Uma curiosidade é que a empresa Recipharm, em Monts, pertence ao laboratório anglo-sueco AstraZeneca. Para produzir a vacina da Moderna, esta fábrica receberá o princípio ativo do RNA mensageiro congelado, proveniente das instalações europeias de Lonza, na Suíça.

A Delpharm receberá o RNA mensageiro da BioNTech produzido em Marburg, na Alemanha, e de seus fornecedores localizados perto de Bruxelas, na Bélgica, e Viena, na Áustria. A vacina Pfizer/BioNTech se beneficia na Europa de uma grande rede de subcontratados para formulação e engarrafamento das doses. Ela depende tanto de grandes grupos como os laboratórios Sanofi e Baxter, mas também de um tecido industrial alemão formado por empresas de médio porte.

Segundo o jornal francês Les Echos, as vacinas fabricadas em Monts são destinadas à Europa, mas também ao mercado mundial, exceto aos Estados Unidos

Mais de 300 milhões de doses em 2021

A Europa encomendou inicialmente 200 milhões de doses do produto da Pfizer/BioNTech, com uma opção de 100 milhões de doses adicionais. No caso da Moderna, os europeus compraram inicialmente 160 milhões de doses e, depois, renovaram pedidos de 150 milhões a serem entregues no segundo semestre de 2021 e 150 milhões em 2022.

O produto da Moderna, cujo desempenho em termos de proteção é equivalente ao da Pfizer, vai substituir o que era destinado à AstraZeneca/Oxford, que não tem cumprido o que promete em termos de entregas e suscita muitas preocupações que levaram à sua restrição de uso no bloco.

Em março, devido ao registro de casos de trombose em pessoas vacinadas com o imunizante do laboratório anglo-sueco na Europa, ele chegou a ser suspenso durante alguns dias. No entanto, após o aval positivo da Agência Europeia de Medicamentos, a maioria dos países europeus já retomou a utilização da vacina da AstraZeneca/Oxford.

Enquanto isso, a União Europeia, extremamente criticada pela lentidão de sua campanha de vacinação, tenta se agilizar para cumprir os calendários de imunização. A França abriu nesta terça-feira (6) seu vacinódromo no Stade de France, na região parisiense, onde pretende aplicar 10 mil injeções por semana. Sete hospitais militares passam a integrar o circuito de vacinação, para imunizar 50 mil pessoas por semana.

UOL

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Mundo

Atualmente, é comum que navegadores de internet como o Google Chrome ou o Safari já venham de fábrica instalados diretamente nos sistemas operacionais. Porém,...