Connect with us

Hi, what are you looking for?

Mundo

Abril marca início da produção acelerada de vacinas contra a Covid-19 na Europa

A União Europeia, extremamente criticada pela lentidão de sua campanha de vacinação, tenta se agilizar para cumprir os calendários de imunização

UOL

Países europeus se preparam para a fabricação em massa de vacinas contra a covid-19. Laboratórios farmacêuticos e fornecedores anunciaram a produção de mais de 300 milhões de doses em 2021.

A França se prepara para produzir as primeiras vacinas em seu território, depois de perder a corrida do desenvolvimento científico para os Estados Unidos, Alemanha, Rússia e China. Os primeiros frascos de imunizantes da Moderna e da Pfizer/BioNTech destinados à comercialização, inicialmente previstos para março, devem sair, nos próximos dias, de duas fábricas localizadas no Vale da Loire, a cerca de 200 quilômetros de Paris.

O processo industrial na França será de preparação do soro, envase, embalagem, controle de qualidade e distribuição. Uma curiosidade é que a empresa Recipharm, em Monts, pertence ao laboratório anglo-sueco AstraZeneca. Para produzir a vacina da Moderna, esta fábrica receberá o princípio ativo do RNA mensageiro congelado, proveniente das instalações europeias de Lonza, na Suíça.

A Delpharm receberá o RNA mensageiro da BioNTech produzido em Marburg, na Alemanha, e de seus fornecedores localizados perto de Bruxelas, na Bélgica, e Viena, na Áustria. A vacina Pfizer/BioNTech se beneficia na Europa de uma grande rede de subcontratados para formulação e engarrafamento das doses. Ela depende tanto de grandes grupos como os laboratórios Sanofi e Baxter, mas também de um tecido industrial alemão formado por empresas de médio porte.

Segundo o jornal francês Les Echos, as vacinas fabricadas em Monts são destinadas à Europa, mas também ao mercado mundial, exceto aos Estados Unidos

Mais de 300 milhões de doses em 2021

A Europa encomendou inicialmente 200 milhões de doses do produto da Pfizer/BioNTech, com uma opção de 100 milhões de doses adicionais. No caso da Moderna, os europeus compraram inicialmente 160 milhões de doses e, depois, renovaram pedidos de 150 milhões a serem entregues no segundo semestre de 2021 e 150 milhões em 2022.

O produto da Moderna, cujo desempenho em termos de proteção é equivalente ao da Pfizer, vai substituir o que era destinado à AstraZeneca/Oxford, que não tem cumprido o que promete em termos de entregas e suscita muitas preocupações que levaram à sua restrição de uso no bloco.

Em março, devido ao registro de casos de trombose em pessoas vacinadas com o imunizante do laboratório anglo-sueco na Europa, ele chegou a ser suspenso durante alguns dias. No entanto, após o aval positivo da Agência Europeia de Medicamentos, a maioria dos países europeus já retomou a utilização da vacina da AstraZeneca/Oxford.

Enquanto isso, a União Europeia, extremamente criticada pela lentidão de sua campanha de vacinação, tenta se agilizar para cumprir os calendários de imunização. A França abriu nesta terça-feira (6) seu vacinódromo no Stade de France, na região parisiense, onde pretende aplicar 10 mil injeções por semana. Sete hospitais militares passam a integrar o circuito de vacinação, para imunizar 50 mil pessoas por semana.

UOL

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Rondônia

O avanço da covid-19 mantém Rondônia ainda em situação crítica para doença e a população precisa ficar atenta às restrições implementadas pelo Governo de...