Brasil Educação

Academia Brasileira de Letras repudia atitude da SEDUC

A Academia Brasileira de Letras (ABL) divulgou nesta sexta-feira, uma nota de repúdio  contra o memorando da Secretaria de Educação de Rondônia (Seduc) que mandou recolher 43 obras literárias das escolas estaduais, incluindo clássicos como “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis, “Macunaíma”, de Mário de Andrade, e “Os sertões”, de Euclides da Cunha.

Segundo a ABL, a atitude da Seduc é uma censura que atinge a literatura e as artes . Leia a nota:

A Academia Brasileira de Letras vem manifestar publicamente seu repúdio à censura que atinge, uma vez mais, a literatura e as artes. Trata-se de gesto deplorável, que desrespeita a Constituição de 1988, ignora a autonomia da obra de arte e a liberdade de expressão. A ABL não admite o ódio à cultura, o preconceito, o autoritarismo e a autossuficiência que embasam a censura.

É um despautério imaginar, em pleno século XXI, a retomada de um índice de livros proibidos. Esse descenso cultural traduz não apenas um anacronismo primário, mas um sintoma de não pequena gravidade, diante da qual não faltará a ação consciente da cidadania e das autoridades constituídas, diz a ABL.

Machado de Assis, um dos escritores que entrou na lista de recolhimento do estado, foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras, em 1897, juntamente com Olavo Bilac, Visconde de Taunay e Ruy Barbosa.

O caso repercutiu o país inteiro, sendo alvo de comentários de telejornais como GloboNews, que segundo um dos comentaristas, Julia Dualibi comenta recolhimento de livros em Rondônia, citando:

“Primeiro isso é uma censura e deve ser repudiada, como uma censura. Outra coisa que chama atenção é o alvo da censura: A gente não está falando de livros, não está discutindo um lançamento que aconteceu recentemente, que foi adotado pela secretaria de educação. Não, a gente está discutindo aqui, majoritariamente clássicos. Clássicos da Literatura Brasileira, livros fundamentais para você entender o Brasil, entender a formação do país, da sociedade como um todo. Estamos falando de Os Sertões de Euclides da Cunha, que talvez seja o principal livro da literatura do Brasil. A gente está falando de Memórias Póstumas de Brás Cubas, considerado pelo Harold Bloom, que foi o maior crítico literário internacional, como a principal obra literária escrita em Língua Portuguesa, feita por Machado de Assis. Não estamos falando de qualquer livro. Se isso possui um conteúdo inapropriado, eu pergunto o que teria o conteúdo apropriado, se isso é considerado inapropriado.”

Reação da OAB e União dos Estudantes

Outras entidades também reagiram ao pedido do governo para recolher os livros das escolas. Para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o documento viola os mais caros princípios e garantias fundamentais da Constituição Federal.

Já a União Nacional dos Estudantes (Une) afirmou nesta sexta-feira que a lista da Seduc “foi uma tentativa de censura à cultura”.

ORondoniense com informações do G1