Connect with us

Hi, what are you looking for?

Destaques

Ações da Fiocruz Rondônia chegam a populações indígenas no interior do Amazonas

Em colaboração com o Dsei Porto Velho (Polo Humaitá) e Casai Humaitá, 11 aldeias foram visitadas, com realização de testes rápidos, palestras, capacitações e distribuição de máscaras.

Durante 4 dias, aldeias indígenas dos municípios de Humaitá e Manicoré no Amazonas foram atendidas em mutirão realizado pela Fiocruz Rondônia, em parceria com o Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei Porto Velho/Polo Humaitá) e Casa de Saúde Indígena (Casai Humaitá).

Na ação, foram realizadas palestras sobre Covid-19 para cerca de 800 indígenas das etnias Tenharim, Parintintin, Jiahui, Mundurucu e Torá, entre outras. A iniciativa também levou capacitação a alunos indígenas do curso Técnico de Enfermagem do Centro de Educação Tecnológica do Amazonas e a profissionais de saúde, que atuam no atendimento a aldeias da região, além da realização de 680 testes rápidos e doação de 200 máscaras aos moradores das áreas visitadas.

Foto: Colaboração Dsei Porto Velho e Casai/Humaitá

De acordo com o líder indígena, Aurélio Tenharim, que também atua como assessor técnico do Dsei Porto Velho e Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi), o avanço da Covid-19 em comunidades indígenas do Brasil é uma triste realidade.

Foto: Colaboração Dsei Porto Velho e Casai/Humaitá

“Na verdade, não esperávamos que o vírus fosse chegar com tanta rapidez em nossas aldeias, mas fomos surpreendidos, e a situação se torna ainda mais preocupante, porque muitos de nossos parentes precisam se deslocar com frequência para a cidade”, revela Aurélio Tenharim, que também aponta as constantes invasões em terras indígenas e o comércio ilegal de madeira como fatores facilitadores do avanço do vírus SARS-CoV-2 dentro dessas comunidades.

A responsável pela Casai de Humaitá, Marisa Ferreira, reforça que o enfrentamento à Covid-19, principalmente entre os povos indígenas, exige um trabalho multidisciplinar das equipes de saúde indígena dentro dos territórios, e o “principal desafio é buscar a conscientização sobre as medidas de segurança determinadas pelos órgãos de referência, além de oferecer um atendimento ágil para o combate à propagação do vírus”.

Nesse sentido, foram desenvolvidas diversas estratégias para aprimorar e fortalecer os serviços de Atenção à Saúde Indígena, no contexto da pandemia do novo coronavírus, o que permitiu o acolhimento dos casos suspeitos de Síndrome Gripal (SG), e a identificação precoce de Covid-19 na população indígena.

Parceria com a Fiocruz RO

As ações realizadas pela Fiocruz RO, por meio desta parceria com o Dsei Porto Velho (Polo Humaitá/AM) e a Casai do município, são uma continuidade de outras iniciativas já desenvolvidas pela instituição, com os povos indígenas de Rondônia e Amazonas, especialmente sobre a Covid-19, desde o início do surto no Brasil.

No mês de setembro, mais de 20 mil equipamentos de proteção individual (EPIs) e insumos foram doados ao Dsei Porto Velho, para distribuição aos profissionais que atuam na saúde indígena. Como resultado dessa mobilização, as doações puderam chegar a diferentes comunidades indígenas na capital e no interior do estado, e mais recentemente aos municípios de Manicoré e Humaitá, região Sul do Amazonas, onde foi realizado o mutirão, contando com colaboração do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz), por meio da doação dos kits de testes rápidos.

Foto: Colaboração Dsei Porto Velho e Casai/Humaitá

Para Deusilene Vieira, pesquisadora em Saúde Pública e chefe do Laboratório de Virologia Molecular, que participou do mutirão, a Fiocruz RO vem, historicamente, assumindo importante papel de valorização da vida e da saúde dos povos da Amazônia, por meio das atividades de pesquisa e formação de recursos humanos, “além de abraçar iniciativas que possam amenizar o impacto de doenças emergentes, como é o caso da Covid-19, que trouxe tantos prejuízos à população local”, reforçou.

De acordo com a pesquisadora, as ações devem continuar e poderão beneficiar outras comunidades indígenas nos municípios de Jaru e Guajará-Mirim, área de fronteira com a Bolívia.

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Brasil

Falta de matéria-prima importada ameaça fabricação de imunizantes contra a covid no país. IFA que chegaria esta semana para o Butantan só desembarca na...