Capital Destaques

Agência Central da Caixa Econômica de Porto Velho fecha devido funcionária testar positivo coronavírus

A agência central da Caixa Econômica Federal de Porto Velho (RO) localizada na Avenida Carlos Gomes, foi fechada na manhã desta terça-feira (14). O motivo segundo informações iniciais foram que uma das atendentes da recepção da agência, teria testado positivo para o Covid-19.

No momento, vários clientes, que aguardavam na fila se revoltaram e a Polícia Militar foi chamada ao local para evitar tumultos.

Segundo a assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal MT/RO, o caso trata-se de uma funcionária que não é um caso positivo, somente suspeito. A assessoria ainda informa que a Agência foi fechada para a realização de higienização no local, e que nesta quarta – feira (15), retornará o atendimento para os clientes da agência.

Entretanto, o Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (Seeb), confirmou que a funcionária testou positivo para coronavírus, contestando a nota oficial da Caixa Econômica.

Segue a nota da Caixa Econômica:

A CAIXA informa que foi identificado um caso suspeito de coronavírus na agência da Av Carlos Gomes, em Porto Velho/RO. 

A empregada encontra-se com acompanhamento médico, e os demais empregados da agência receberam orientações específicas e foram liberados para trabalho remoto.

A agência foi fechada para a devida higienização de todo o espaço e voltará a funcionar amanhã (15) com uma nova equipe para atendimento aos clientes.

Contradições

Em nota, o Seeb, confirmou que a funcionária testou positivo para COVID – 19, e que  o sindicato está em alerta, “pois representa um risco perturbador tanto para os trabalhadores quanto para a população que, diariamente, se aglomera nas imensas filas do lado de fora da maior agência da Caixa no Estado”, disse em nota.

De acordo com informações colhidas pelo Sindicato, no dia 3 de abril a bancária passou mal e acabou internada, sendo que dos exames preliminares nenhum diagnosticou a Covid-19. Somente na semana seguinte ela fez o teste para o Coronavírus, e o resultado saiu nesta segunda – feira (13), confirmando mais um caso na Capital.

Ainda segundo o sindicato, apesar de todos os sintomas sinalizarem a ameaça já no primeiro momento, e mesmo com a forte suspeita de ter uma funcionária contaminada, a direção da Caixa não tomou medidas necessárias para impedir mais riscos de contaminação. “O banco, logo após o primeiro incidente (quando a funcionária passou mal e foi internada), apenas mandou desinfectar a agência, e adotou sistema de rodízio com parte quadro funcional. No entanto, alguns empregados que permaneceram na agência tiveram contato direto com a paciente, e desde a semana passada trabalham normalmente na agência, atendendo diariamente pessoas que vão em busca de receber a ajuda dos programas sociais executados por meio do banco público, como Bolsa Família, Seguro Desemprego, FGTS e, mais recentemente, o auxílio emergencial de R$ 600 para as pessoas atingidas pela crise econômica e social gerada com a pandemia no país”.

VEJA A POSIÇÃO DO SINDICATO:


“A partir do momento que tomou conhecimento do caso o Seeb entrou em contato com a Superintendência Regional da Caixa em Rondônia e solicitou o fechamento imediato da agência, uma nova desinfecção geral da unidade e a troca de toda a equipe de empregados – incluindo os terceirizados e vigilantes – que tiveram contato com a paciente. Além disso o Sindicato entrou em contato com a Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/CAIXA), denunciou ao Comando Nacional dos Bancários e à Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa).

Somente nesta terça-feira (14), após pressão do Sindicato – que nesta manhã promoveu ato em frente à agência, explicando a gravidade do caso para as pessoas que estavam na fila esperando atendimento do lado de fora – é que a direção regional do banco decidiu fechar a agência hoje, quando vai fazer nova desinfecção geral do prédio e fazer a troca de toda a equipe de trabalhadores que tiveram contato com a paciente. Amanhã a agência estará reaberta, com nova equipe de funcionários e terceirizados – para atender ao público, que hoje foi dispersado.

“O banco atava agindo de forma irresponsável, pois não liberou a tempo os funcionários que tiveram contato com a paciente para trabalharem em casa, e esses funcionários, que já foram expostos, também representavam risco de mais contaminação naquela agência, pois ninguém sabe quem está ou não contaminado. E não apenas os funcionários estão expostos ao risco, mas também as dezenas de pessoas que vão, diariamente, à agência. Entre elas pessoas do grupo de risco, como idosos, pais e mães com crianças, entre outros. Ou seja, é um risco enorme de este caso se tornar uma cadeia de contaminação caso as medidas essenciais de isolamento e combate ao contágio não sejam tomadas imediatamente… se já não for tarde demais”, avaliou José Pinheiro, presidente do Sindicato,
O Sindicato está impetrando nova ação junto à Justiça do Trabalho para que a Caixa adote as medidas permanentes de prevenção e combate ao Coronavírus determinadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e autoridades ligadas à saúde pública.

Agência diz tomar todas as medidas de segurança:

Ainda em nota, a caixa informa que prioriza uma série de ações para a prevenção e cuidado tanto para funcionários quanto para clientes. Confira:

A CAIXA  já vem adotando uma série de ações de prevenção e orientação aos empregados e clientes sobre o COVID-19. Todos os empregados do banco receberam e-mail corporativo com orientações baseadas nas diretrizes divulgadas pelo Ministério da Saúde. Além disso, o banco disponibilizou materiais como cartilha e FAQ no Portal do Empregado, com esclarecimentos sobre o tema. As reuniões, pontos de controle e treinamentos presenciais foram substituídos por chats, vídeos ou audioconferência.

Os empregados do banco que estão no grupo de risco foram liberados para o trabalho remoto. Grávidas, pessoas com mais de 60 anos, imunossuprimidos, diabéticos, portadores de doenças cardiovasculares ou pulmonares e em tratamento de câncer, vão desempenhar suas atividades de casa.

A CAIXA também disponibilizou verba exclusiva para as unidades adquirirem produtos que auxiliam na prevenção, e solicitou a intensificação de limpeza de suas unidades.

Toda a rede de atendimento (agências, lotéricas e correspondentes CAIXA Aqui) foi instruída a afixar cartazes alertando os clientes de que o canal oficial com informações sobre o coronavírus é a página do Ministério da Saúde (coronavirus.saude.gov.br/). O banco publicou ainda orientações sobre o COVID-19 nos perfis de redes sociais e site institucional, assim como no Internet Banking.

Entrada e saída nas agências

A CAIXA reforça que está tomando todas as medidas para prevenir o avanço do coronavírus. Entre as principais, estão o acesso controlado da entrada e saída de clientes em agências, a abertura antecipada das unidades selecionadas em uma hora, para atender os clientes que estão no chamado grupo de risco, gerenciamento de filas, além da distribuição de senhas em cores para diferenciar a necessidade e agilizar o atendimento.  

O banco orienta seus clientes a acessarem os serviços do banco por meio dos canais digitais e remotos, que foram reforçados. Os clientes podem fazer a movimentação de valores por meio do Internet Banking e Mobile Banking e foi ampliado o atendimento em canais remotos. Desde o dia 23 de março, foi aumentado para R$ 5 mil o limite de transferências eletrônicas entre contas da CAIXA em todos os canais, além da possibilidade de aumento do limite das transações através do Mobile Banking para até R$10 mil.

O fluxo de pessoas no interior das agências será limitado a, no máximo, 50% da capacidade dos assentos das unidades, para que seja possível manter a distância de no mínimo 1 metro entre as pessoas. Empregados da CAIXA poderão utilizar equipamentos de proteção no atendimento.  A CAIXA também disponibilizou verba exclusiva para as unidades adquirirem produtos que auxiliam na prevenção, e solicitou a intensificação de limpeza de suas unidades.

O banco continua acompanhando a situação, a fim de avaliar medidas futuras que podem ser tomadas em decorrência da evolução dos acontecimentos.

*Com apoio de informações do Rondoniagora