Connect with us

Hi, what are you looking for?

Rondônia

Agevisa realiza monitoramento das vacinas entregues nas redes municipais de frio

Cinco equipes composta por técnicos da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e das regionais de saúde, iniciaram esta semana o trabalho de monitoramento das centrais municipais de Rede de Frio instaladas em Rondônia. A diretora-geral da Agevisa, Ana Flora Gerhardt encaminhou documento a presidência do Conselho de Secretários Municipais de Saúde de Rondônia (Cosems) informando o cronograma de supervisão das centrais e sobre as providências quanto à estocagem e distribuição das vacinas contra a covid-19 e demais imunobiológicos.

O Ministério da Saúde (MS) pretende evitar a estocagem do imunobiológico, e assim, acelerar a vacinação dos grupos prioritários definidos no Plano Nacional de Operacionalização (PNO) da vacina. Por sua vez, o governador Marcos Rocha solicitou a Agevisa um panorama da situação das vacinas entregues em Rondônia. “As equipes já estão no interior do Estado para dar apoio, detectar necessidades, monitorar e fazer um diagnóstico real da situação das vacinas. Não queremos que a população seja prejudicada e assim evitar risco de perder doses” justificou.

A Agevisa está intermediando a recuperação das vacinas, visando evitar imprevistos. Os técnicos foram enviados para supervisionar a estrutura física de todas as redes. “As equipes farão um checklist que inclui vistoria em geladeiras, temperatura, armazenamento e demais protocolos preconizados pelo Ministério para o recebimento da vacina”.

NOVOS GRUPOS

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, e a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fontana, divulgaram oficialmente os detalhes das novas diretrizes da campanha nacional de vacinação contra a covid-19. O Ministério informou a antecipação de grupos prioritários e a possibilidade de vacinação da população em geral com idade de 59 a 18 anos, caso os municípios tenham avançado nos grupos de comorbidades e professores, respeitando as diversidades locais e após pacto nas comissões bipartites.

Ana Flora falou que a pactuação entre o Estado e o Município acontecerá por meio da Comissão Intergestora Bipartite (CIB), que definirá sobre a vacinação conforme o cumprimento do PNO. “Se o município atingir toda a população alvo e se tem uma sobra de vacina, após fazer busca ativa e verificar que não há pessoas dos grupos prioritários sem vacinação, poderá começar a fazer a vacinação do grupo geral conforme a faixa etária” – explicou.

Tendo em vista a nova decisão ministerial e na próxima remessa o aumento do quantitativo de vacinas para atender os novos grupos, o governo do Estado quer contribuir na aceleração da vacinação por meio do monitoramento. “Nós precisamos dessa vacina, ela é a melhor forma de prevenção à doença. A população vacinada evita o agravamento de casos. É necessário ficar atento ao chamado dos grupos, faixa etária, e não deixar de vacinar.” – disse Ana Flora, alertando que mesmo com a vacinação, a população deve continuar com as medidas de prevenção.

 

AGEVISA

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Mundo

Atualmente, é comum que navegadores de internet como o Google Chrome ou o Safari já venham de fábrica instalados diretamente nos sistemas operacionais. Porém,...