Capital Destaques Rondônia

ALERTA – Governo do Estado e município monitoram caso suspeito de corona vírus em Porto Velho

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) e Secretaria Municipal de Saúde de Porto Velho (Semusa) continuam atuando no monitoramento que é feito diariamente ao casal que reside na Capital e procurou à rede básica de saúde com sintomas de gripe e que, na ocasião, relataram que estavam retornando de São Paulo, mas que lá compartilharam um transporte de aplicativo com um chinês, que não falava português e se comunicava com o motorista através de aplicativo de tradução, do aeroporto de Guarulhos ao centro de São Paulo.

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) do Estado fez a notificação da situação ao Ministério da Saúde que recomendou que o casal continue mantido em isolamento domiciliar, conforme protocolo, até que cessem os sintomas de doença respiratória viral.

“Nós temos todo o cuidado e preocupação com este caso. Já realizamos os exames laboratoriais e clínicos que temos disponíveis no nosso laboratório central (Lacen) para doenças respiratórias como H1N1, influenza, vírus sincicial, e o resultado foi negativo. Diante disso, enviamos para a Fiocruz a amostra coletada para outros exames e, só depois deste resultado, podemos descartar este caso. Enquanto isso não acontecer, seguimos com os protocolos”, explicou Fernando Máximo, secretário de Saúde.

O coordenador do Cieves/Estadual, Sid Orleans, explica que pela dificuldade de localizar o chinês que estava no mesmo veículo em São Paulo para comprovação de que ele estava vindo da China, o Centro de Operações de Emergência não listou Rondônia, pois o alerta é para pessoas que visitaram áreas de transmissão. “Mas por recomendação do próprio Ministério, estamos mantendo todo o protocolo e visitas diárias ao casal que continua em casa até o resultado o diagnóstico final.”

A Sesau emitiu Nota Informativa a todos os municípios com recomendações aos profissionais de saúde para que adotem medidas preventivas, seguindo as diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O Rondoniense (Com informações da SESAU)