Destaques Especiais Estilo de vida Turismo

Aproveite as marés cheias em 2021!

Boa sorte em 2021!
Boa sorte em 2021!
Ler, Pensar e Escrever | Marcos Pena Jr

Hoje estive na agradabilíssima praia de Camurupim no litoral do Rio Grande do Norte, ao sul da sua capital, Natal. A praia é conhecida por suas piscinas naturais, que se formam em função de haver extensa barreira de arrecifes ‘protegendo’ uma boa faixa de areia. O mar chicoteando com força e constância as pedras completa com exuberância os atrativos da praia. Repito a primeira palavra do texto, ‘hoje’, para dizer que apenas hoje consegui aproveitar as piscinas naturais, pois dias atrás estive no exato local e só pude andar pela areia, pisar as pedras e ver o mar batendo nelas. O motivo é simples, na minha visita anterior (por não ter analisado em detalhes e me planejado adequadamente) encontrei a praia em maré baixa; e apenas com maré alta as piscinas se formam. Isso me chamou bastante a atenção para algo totalmente trivial: quase tudo na natureza é cíclico. Os ciclos impactam muitas coisas em nossas vidas, desde as muito importantes até as pequenas, como conseguir ou não tomar um banho de mar.

Aproximadamente a cada 365 dias entramos nos ‘rituais de final de ano’, Natal, réveillon, novo ano. Afirmar que isso é cíclico é obviedade extrema. Depois de alguns anos de vida, essa obviedade pode começar a ser confundida com algo sem sentido. Quero dizer, muitas pessoas encaram essas datas como “dias como qualquer outro“ ou, ainda, mesmo que não cheguem a tanto, encaram-nas com certo azedume por acreditarem que, no geral, tendemos a romantizar o período. Dentre outras coisas, esquecem-se completamente dessa questão dos ciclos e dos impactos psicológicos dos mesmos.

Vista aérea da praia de Camurupim / RN
Vista aérea da praia de Camurupim / RN

 

Alguns céticos, pessimistas e ‘azedos’ afirmam que a maneira como nos comportamos chega a ser (para colocar de maneira leve) boba. Afinal, qual o sentido de imaginar que as coisas podem ser diferentes no novo ano, que podemos mudar hábitos, que teremos condições de iniciar projetos adiados, e demais “ingenuidades”? Recentemente me deparei com mensagem de experiente e bem formado ser humano, que se diz um “ultra-realista” (e não um “pessimista, como muitos podem achar”), em que ele afirma que esses são “períodos absolutamente poliânicos, como o final de ano e os sempre ingênuos votos para o ano entrante”. Escrevo para registrar que essa afirmação faz do colega um pessimista, um azedo e um cético (na pior acepção do termo), ainda que ele queira que não. O motivo é simples: o final de ano, por definição, não pode ser “poliânico”, apenas pessoas podem; e, ainda que os “votos” até possam ser assim considerados, também não o são em si, em potência os ‘desejantes’ e os ‘receptores’ é que o podem. O que quero dizer com isso? Quero dizer que as novas e positivas coisas no novo ano, as mudanças de hábitos e os inícios de projetos são totalmente factíveis; não houvesse pessoas capazes de os realizar, não teríamos saído das cavernas.

Um novo ano é um novo ciclo. Assim como tendo ido a Camurupim no mesmo horário em dias diferentes apenas em um deles consegui realmente aproveitar os atrativos da praia em função da mudança do ciclo das marés, também a mudança do ciclo anual nos propicia ‘novos aproveitamentos’. Dia primeiro de janeiro iniciamos um novo ciclo, por mais que isso se repita e possa parecer enfadonho e ‘sem sentido’ para um velhinho azedo, pessimista e cético. Você pode ser um “ultra-realista” e achar que essa mudança de ciclo e os votos de final ano não fazem diferença alguma. Você pode ser uma “Poliana” e achar que bastam os votos que as coisas serão melhores. Mas você pode ser positivo, alegre e receber com entusiasmo a virada do ano e os votos que te forem dados. Ser “Poliana”, “ultra-realista” (leia-se pesado, azedo, pessimista e dreno das energias alheias) ou positivo-propositivo-ativo depende única e exclusivamente de você próprio. Nesse último domingo de 2020 quero deixar registrado aqui o seguinte: se este ciclo (o ano atual) não propiciou que você realizasse uma série de coisas, seja positivo, propositivo e ativo; planeje adequadamente, trace objetivos e metas; e construa novas coisas, mude hábitos e realize projetos adiados! Meus votos a você, leitor, são de que alcance os objetivos e as metas que derivem do seu bom planejamento. Com preparo, organização, inteligência, esforço, resiliência e perseverança a sorte te alcança fácil! Boa sorte em 2021!

Marcos Pena Júnior é economista e escritor, mantém suas produções disponíveis em marcospenajr.com.

Copyright © 2020, O Rondoniense, Marcos Pena Jr. Todos os direitos reservados.

 

Ler, Pensar e Escrever | Marcos Pena Jr

Ler, Pensar e Escrever | Marcos Pena Jr

Marcos Pena Júnior é natural de Caruaru, Pernambuco. Afirma que se entende como uma grande e histórica mistura de índios, negros, mamelucos, mestiços, brancos, “portugueses da Holanda”, caboclos e mulatos, como escreveu em seu poema “Quantos rios nascem no Sertão e desembocam no Mar?”. No final da adolescência rumou para Natal, no Rio Grande do Norte, onde aos dezessete anos iniciou graduação em ciências econômicas e começou a trabalhar. Também aí cursou MBA e mestrado em engenharia de produção. Também na capital potiguar, casou e teve filhas. Na virada dos anos 2000 para os 2010 mudou para Brasília, Distrito Federal. Atualmente vive na capital do País. Desde a adolescência tem interesse especial por literatura, escrevendo poemas desde muito cedo. Atualmente dedica-se a escrever, além dos poemas, artigos de opinião, resenhas, críticas, artigos técnico-científicos, além de achar um tempinho para fotografia … ver e sentir o mundo, no fim das contas, é o que o atrai.

Comentários

Clique aqui para publicar um comentário