Interior Rondônia

Ariquemes, Jaru e Vilhena devem progredir para a fase 2 do decreto de distanciamento social

Os municípios de Ariquemes, Jaru e Vilhena já solicitaram a progressão para a fase II do decreto de distanciamento social controlado, para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Na última semana, os três, junto com outras 20 cidades tinham voltado para a fase mais rígida do plano “Todos por Rondônia”. A possibilidade de mudança só foi possível com a publicação de um novo decreto, que alterou critério avaliativos.

Entre os requisitos necessários, conforme o decreto estadual nº nº 25.195, de 06 de julho de 2020) publicado pelo governo do Estado, está a taxa de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) sob a responsabilidade do município. O decreto prevê que, para fins de classificação nas fases, o município que tiver leitos de UTI adultos exclusivos para covid-19, próprios ou contratados da rede particular, deverá encaminhar requerimento e documentos, comprovando a taxa de ocupação, à Sesau, para que esta leve em consideração percentual ocupado, descartando a classificação pela macrorregião.

As mudanças trazidas pelo novo decreto nº 25.195 atende a um dos pontos apresentados e defendidos pela Associação Rondoniense de Municípios (AROM) sobre a disponibilidade de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) municipal. A entidade municipalista A AROM defende que os critérios devem ser amplamente debatidos com a representatividade dos municípios e que sejam levadas em consideração as taxas de lotação das UTIs municipais.

Com a alteração, a prefeitura de Ariquemes informou que atualmente possui 12 leitos de UTI adulto, mas ressaltou que o número aumentará para 18 até a próxima sexta-feira (10). Já a atual taxa de ocupação dos leitos de UTI adulto na cidade é de 75%, conforme o Boletim Epidemiológico da Covid-19, divulgado na última segunda-feira (6).

Já o município de Jaru conseguiu a habilitação de cinco leitos de UTI adulto exclusivos para coronavírus. No momento, dois deles estão ocupados. Com isso, a taxa de ocupação é de 40%.

O mesmo percentual tem Vilhena, que tem 10 leitos de UTI, sendo quatro ocupados. A taxa de letalidade do sars-cov-2 em Vilhena também é baixa, com 1% até esta terça-feira, contra 2,3% do Estado, 4% do país e 4,5% do mundo. Outro bom indicador no controle da pandemia no município é a redução no número de casos ativos que desde o dia 29 de junho está em queda, deixando a cidade no mesmo patamar de ativos que havia quase um mês atrás.

Assessoria