Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Economia

Avanço da variante Delta da covid-19 derruba bolsas ao redor do mundo

Avanço de cepa do novo coronavírus põe analistas em alerta e derruba bolsas ao redor do mundo. Com receio da queda do valor dos ativos, investidores vendem ações para garantir lucros acumulados e evitar prejuízo futuro. No Brasil, dólar sobe

CorreioBraziliense

O mercado financeiro abriu a semana em clima de incerteza generalizada, em parte devido ao aumento dos contágios da variante Delta do novo coronavírus, que está se espalhando pelo mundo. As bolsas internacionais desabaram, ontem, e o Brasil foi junto nesse processo, que inclui a realização de lucros dos últimos dias, com os agentes do mercado tentando antecipar o que está por vir. O Índice Vix, um indicador que busca medir o sentimento de medo dos investidores, e é negociado na Bolsa de Chicago (EUA), chegou a disparar 35,6%. A Bolsa de Valores de São Paulo (B3) voltou a ficar abaixo de 125 mil pontos após cair 1,24%, enquanto os indicadores da Ásia, da Europa e dos Estados Unidos encerraram o dia no vermelho e o dólar voltou a subir.

De acordo com analistas, crescem os temores de inflação global, em meio à retomada da economia devido aos avanços da vacinação. Nos EUA, onde a carestia não parece ser temporária como o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) vem afirmando, o temor é de uma mudança brusca na política monetária. Hoje, o Fed irriga o mercado com US$ 120 bilhões por mês por meio da compra de títulos, o que ajudou a “esticar” o valor dos ativos nas bolsas.

Antes de começar a subir os juros, o Fed deverá enxugar essa liquidez, reduzindo a compra de títulos (tapering), ainda neste ano, apostam especialistas. Para eles, o Fed será obrigado a dar uma sinalização, em breve, de que não vai mais tolerar uma inflação mais alta do que a meta de 2%, porque, em 2022, haverá eleições legislativas, e o clima poderá ser ainda pior.

Nesta semana, há a expectativa de que o Congresso dos EUA aprove o pacote de investimentos em infraestrutura do presidente Joe Biden. O pacote, no valor de US$ 1,2 trilhão, poderá ajudar o Fed na tarefa de enxugar a liquidez, porque haveria um estímulo compensatório via gasto público.

-

Mas tudo são hipóteses. Uma certeza crescente é de que o Fed está preso na armadilha de liquidez que ele mesmo armou. “O mercado está muito alavancado, o Fed vai ter que se livrar dessa armadilha de liquidez. O sinal de hoje nas bolsas é bem claro. Estão antecipando uma crise financeira que está por vir e procuram realizar lucros para minimizar perdas futuras”, disse Eduardo Velho, estrategista da JF Trust Gestora de Recursos.

“O descompasso entre a valorização dos ativos e o crescimento da renda na economia da produção e dos serviços é um absurdo, e todo mundo sabe disso, mas a bolsa continua bombando. Isso é um problema estrutural do capitalismo, que precisou socorrer as empresas, e os ativos acabaram tendo uma valorização desproporcional. As empresas agora estão endividadas porque os juros estavam muito baixos, e estão recomprando as próprias ações. Agora, é preciso que o Fed diminua a injeção de liquidez, mas isso terá consequência, que é a reversibilidade da valorização dos ativos”, explica o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, professor da Universidade de Campinas (Unicamp).

Na avaliação de Alexandre Espírito Santo, economista-chefe da Órama, a variante Delta é apenas uma “desculpa” para o movimento de realização de lucros dos últimos dias. “O que está acontecendo lá fora é algo muito parecido com a bolha das empresas pontocom. E esse mau humor se agravou porque está caindo a ficha de que o Fed vai ter que começar o tapering ainda neste ano. A inflação não é temporária, os preços dos ativos estão sobrevalorizados e precisarão ser ajustados à realidade”, alertou.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Destaques

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, com Rondônia registrando 1.460 casos da doença e 50 mortes, o governo de Marcos Rocha, através da...