Economia

BC reduz projeção de déficit nas contas externas para US$ 19,3 bilhões

O Banco Central (BC) melhorou a projeção para o saldo negativo das contas externas, neste ano. A previsão para o déficit em transações correntes (compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com outras nações) passou de US$ 30,8 bilhões para US$ 19,3 bilhões.

A estimativa para 2019 corresponde a 1% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. A previsão está no Relatório de Inflação, publicação trimestral do BC, divulgado hoje (27/06).

Segundo o BC, a revisão ocorreu devido às perspectivas de desaceleração do crescimento da economia global e a redução na projeção do P

IB, de 2%, previstos em março, para os atuais 0,8%. “A alteração incorpora modificações pontuais na composição do déficit, com expectativa de aumento do superávit comercial, e de reduções nas despesas líquidas de renda primária [lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários] e serviços”, acrescenta o BC.

O BC revisou de US$ 40 bilhões para US$ 46 bilhões a estimativa para o superávit comercial neste ano. O déficit da conta de serviços (viagens internacionais, transporte, aluguel de equipamentos, entre outros) está projetado em US$ 31,4 bilhões – US$ 5 bilhões abaixo do previsto no Relatório de Inflação anterior, de março.

Segundo o BC, os pagamentos líquidos de juros estão projetados em US$ 19,4 bilhões, acima da projeção anterior, de US$ 17 bilhões. A projeção para as remessas líquidas de lucros e dividendos foi reduzida de US$ 20,5 bilhões para US$ 17,5 bilhões, “reflexo da menor perspectiva de crescimento econômico e de taxa de câmbio média mais desvalorizada em relação ao ano anterior”. Já os ingressos líquidos da conta secundária foram mantidos em US$ 2,7 bilhões.

Investimento estrangeiro

Quando o país registra saldo negativo em transações correntes precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior. A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o Investimento Direto no País (IDP), porque os recursos são aplicados no setor produtivo.

A projeção para os ingressos líquidos de IDP segue em US$ 90 bilhões (4,8% do PIB). Em 2018, foram registrados US$ 88,3 bilhões.

A projeção para os Investimentos Diretos no Exterior foi ampliada de US$ 10 bilhões para US$ 15 bilhões, “influenciada por menores fluxos de desinvestimentos em 2019 em relação ao ano anterior”.

Comentários

Fonte
Agência Brasil
Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios