Brasil Destaques Saúde

Brasil tem 201 mortes e 5.717 casos confirmados do novo coronavírus

O Ministério da Saúde atualizou nesta terça-feira (31) o panorama da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Segundo a pasta, o país tem 201 mortes e um total de 5.717 casos confirmados de COVID-19.

São 1.138 casos a mais do que no boletim de segunda-feira (30), a maior elevação diária em 24 horas desde o início da crise. Com 2.339 casos, São Paulo segue disparado como o estado com o maior número de registros da doença.

Na sequência, o ministério informa 708 casos no Rio de Janeiro, 390 no Ceará, 332 no Distrito Federal, 275 em Minas Gerais e 274 no Rio Grande do Sul. Ao todo, 60% (3.406) casos estão no Sudeste, 875 (15%) no Nordeste, 672 (12%) no Sul, 470 (8%) no Centro-Oeste e 294 (5%) na região Norte do país.

São Paulo é o estado também que registrou o maior número de óbitos — 136 no total. Há 23 mortes no Rio de Janeiro, sete no Ceará e seis em Pernambuco. Apesar de ter apenas 18 casos confirmados, o estado do Piauí confirmou quatro mortes, uma a mais do que no Distrito Federal, onde há 332 casos da COVID-19.

Há mortes registradas em 20 das 27 unidades federativas brasileiras. As informações foram disponibilizadas pelo Ministério da Saúde em plataforma online destinada ao monitoramento da pandemia do novo coronavírus no Brasil.

Inteligência artificial

O ministro Luiz Henrique Mandetta anunciou a implementação de um sistema de inteligência artificial, desenvolvido pelo Ministério da Saúde, que vai telefonar automaticamente para 125 milhões de linhas de telefone no país. O objetivo, diz o ministro, é mapear grupos de risco e a disseminação do coronavírus.

A ligação será uma voz eletrônica, fazendo perguntas sobre a COVID-19 e os perfis dos brasileiros. Segundo Mandetta, o sistema permitirá identificar “zonas quentes” e direcionar melhor as políticas públicas de combate à pandemia.

Cloroquina

O ministro da Saúde afirmou que será publicada nas próximas 48 horas em revista científica especializada um trabalho que mostra que a cloroquina proporcionou uma redução no tempo de internação em terapia intensiva.

De acordo com Mandetta, “é um primeiro passo”. Ele afirma que se for possível reduzir o tempo de internação já será positivo para desafogar o sistema de saúde, mas ponderou que ainda não há nenhuma evidência de que o medicamento possa ser utilizado de forma preventiva ou em pessoas que não tenham casos graves da doença.

Acompanhe a entrevista ao vivo no Palácio do Planalto:

Fonte: CNN BRASIL