Mundo

Brasileiro no Equador relata urubus no céu de Guayaquil após acúmulo de corpos de vítimas do coronavírus pelas ruas

“Vejo urubus no céu de Guayaquil e à tarde a fumaça dos corpos sendo queimados em um dos cemitérios da cidade. Agora, estou vivendo em um filme de terror, apocalíptico.”

O relato foi feito por um engenheiro brasileiro que mora há décadas na cidade equatoriana e pediu para não ser identificado.

O município portuário tem mais de 2 milhões de habitantes e é o motor e centro econômico do Equador, mas está com as ruas desertas.

Mas há duas semanas, desde que se tornou o epicentro da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) no país, vem enfrentando um cenário de horror. Guayaquil tem 4 mil pacientes com a doença Covid-19 e hospitais superlotados antes mesmo de atingir o pico no número de infectados. Há relatos de famílias que não conseguem localizar parentes que estavam internados e morreram.

Como os sistemas de saúde e funerário entraram em colapso, cadáveres demoram a ser recolhidos. Há corpos abandonados por famílias em vias públicas. Estão à espera da força-tarefa composta por militares e policiais militares criada pelo governo de Lenín Moreno.

A prefeita Cynthia Viteri afirmou que “não há espaço nem para vivos, nem para mortos” nos hospitais e cemitérios da cidade.

Com 17,4 milhões de habitantes, o Equador registra oficialmente mais de 7,8 mil casos do novo coronavírus e 388 mortes confirmadas por coronavírus, segundo a universidade americana Johns Hopkins. No entanto, o temor é que esses números sejam muito mais elevados, diante da falta de testes para detectar a Covid-19. Cerca de mais 1000 mortes são consideradas suspeitas.

Autoridades esperam para as próximas semanas até 3,5 mil mortes na província de Guayas, cuja capital é Guayaquil, e onde foram registrados mais de 70% dos casos de infecção pelo coronavírus no país.

Policiais olham caixão com possível vítima da Covid-19 em frente a uma casa no subúrbio de Guayaquil, no Equador, em 3 de abril de 2020 — Foto: Edison Choco/AP

O clima quente da cidade costeira voltada para o Pacífico acelera o processo de putrefação. Os urubus, antes raramente vistos, agora rondam parte da cidade. O céu foi invadido pelo material exalado por crematórios.

Neste domingo (12), o governo anunciou ter retirado mais 700 corpos de pessoas que morreram em suas residências nas últimas semanas em Guayaquil. Não está comprovada qual a causa da morte de todas elas – o que impede saber quantas foram vítimas da Covid-19.

O engenheiro brasileiro conta que, há cerca de um mês, passou a trabalhar em home office. Diz que amigos lhe enviaram vídeos que mostram corpos na área central da Guayaquil.

“Os relatos de pessoas mortas nas ruas que vocês estão recebendo [no Brasil] são verdadeiros. Recebi vídeos, mas tive de apagar. Eu não suportei”, afirma.

Os corpos são transportados por caminhões improvisados. “O líquido dos corpos em decomposição vai sendo derramado nas ruas, infectando tudo. O mau cheiro é insuportável.”

Com as estritas regras de confinamento em vigor, fabricantes de caixões estão enfrentando dificuldade de conseguir matéria-prima, conta o engenheiro carioca. Imagens de agências de notícias mostram mortos sendo enterrados em caixas de papelão.

O brasileiro recebe pedidos de ajuda de conhecidos para enterrar os mortos. “Antes da crise, um caixão custava em torno de U$ 800. Agora o preço pode chegar até a U$ 2 mil.”