Rondônia

Cemetron aumenta mais 58 leitos para atender exclusivamente pacientes com Covid-19

O Estado de Rondônia passa a dispor de mais 58 leitos hospitalares no Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), com a inauguração da obra de ampliação, que vai melhorar e humanizar ainda o atendimento à população rondoniense a partir desta sexta-feira (25).

A obra, que é doação de uma multinacional, na união de um esforço nacional para o enfrentamento da Covid-19, está em fase de entrega, para iniciar o atendimento à população. Segundo a diretora adjunta da instituição de saúde, Maria Orly Lima, em aquisição e mudança de móveis, computadores, impressoras e outros equipamentos, além da transferência dos pacientes, eis que os 58 novos leitos serão destinados especificamente ao tratamento de acometidos pela Covid-19.

Ela assegurou também que, tão logo a ampliação com os novos leitos esteja estruturada, o Cemetron retomará o ritmo normal de atendimento, com o retorno dos pacientes, portadores de doenças infectocontagiosas, como tuberculose, HIV, endêmicas e as provocadas por acidentes com animais peçonhentos e outras, que foram deslocados para outras unidades de saúde no início da pandemia do novo coronavírus. “Mas, a partir da inauguração dos novos 58 leitos, retomamos o atendimento normal a toda população do Estado”, disse.

OBRA DEFINITIVA

Executada com um projeto modular que permitiu rapidez à construção, a obra de ampliação do Cemetron passa a integrar a estrutura permanente da rede estadual de saúde, com novos 58 leitos, sendo dois de isolamento, de estrutura permanente, diferentemente dos hospitais de campanha que são construídos para atendimento emergencial temporário.

E assim, confirmando sua característica com projeto diferenciado, a nova estrutura do Cemetron recebeu pintura hospitalar lavável e piso vinílico e estrutura para atender às normas de acessibilidade. Além disso, os materiais empregados na obra são resistentes ao fogo, eis que não são inflamáveis e não propagam fumaça, e o conjunto tem uma estrutura operacional específica e completa com sistema de gases, hidráulica, elétrica, climatização, descontaminador, grupo gerador automático, estação de tratamento compacta e um poço artesiano próprio.

O governador Marcos Rocha, que destacou a importância da obra, agradeceu mais vez a decisão da multinacional em apoiar a iniciativa, e reconheceu que há anos o Estado apresentava algumas dificuldades, marcadas basicamente pela falta de leitos no sistema público de saúde, e que agora vê-se o fim desse ciclo, com os hospitais de campanha e com a obra definitiva de ampliação dos 58 leitos do Centro de Medicina Tropical de Rondônia.