Capital Esporte

Chuva de gols marca torneio de integração entre escolinhas de futsal

Above

Jovens atletas das escolas Laura Vicuña, Sapiens, Dom Bosco e escolinha Mato Grosso abrilhantaram o I Torneio Solidário de Futsal da Escolinha Mato Grosso, no último sábado, 9, na quadra da Escola Nossa Senhora das Graças. A garotada fez bonito e o resultado final foram ótimas jogadas, dribles de cair o queixo e uma chuva de gols marcados totalizando 30 vezes em que a bola ficou no fundo das redes.

O torneio marcou o encerramento das atividades deste ano do projeto social coordenado pelos professores Elciney, Arthur e Moisés. O projeto, sem fins lucrativos, atende duas vezes por semana garotos na faixa etária de 8 a 17 anos, que moram na região do bairro Mato Grosso. A ideia do torneio, ressalta o professor Elciney, foi promover a integração de alunos da Escolinha Mato Grosso e alunos de outras escolinhas de futsal.

A primeira etapa teve como campeã a equipe do Instituto Laura Vicuña (categoria Sub 7 e 8 anos) que jogou uma partida acirrada contra o time do colégio Sapiens, perdendo por 3 a 2. Em seguida, venceu a equipe da Escolinha Mato Grosso, por 3 a 0. Com a derrota do Sapiens por 3 a 1 no jogo contra Mato Grosso, Laura Vicuña ficou em primeiro lugar graças ao saldo de gols, cinco no total.

Na etapa seguinte do torneio, a equipe da Mato Grosso se sagrou campeã desbancando o Laura Vicuña por 1 a 0 e vencendo o Sapiens com o placar de 3 a 0. Já na terceira fase, com atletas da categoria 12 a 14, a escolinha Mato Grosso não deu mole para as demais equipes e bateu o Dom Bosco por 2 a 1 e o Sapiens por 3 a 2, e mais uma vez ficou em primeiro lugar com duas vitórias com o saldo de cinco gols.

O time do Dom Bosco ficou na lanterna, com o saldo de 3 gols. As partidas foram acirradas, e apesar de enfrentarem times mais experientes que já treinam juntos desde o início do ano, os alunos jogaram com muita raça, mas não conseguiram superar a prevalência tática dos adversários.

O professor Elciney ressalta a importância da prática esportiva e a necessidade de projetos esportivos destinados aos jovens das classes populares. Ele defende a prática esportiva como instrumento educacional para o desenvolvimento integral das crianças, jovens e adolescentes.

Conforme o treinador da equipe do Instituto Laura Vicuña, professor Daniel, vale ressaltar que o esporte, aliado à educação, é uma poderosa ferramenta de proteção social e resgate de crianças e jovens, pois, quando não estiverem na escola, estes se manterão ocupados e diminuindo o ócio e evitando o risco de estarem nas ruas, convivendo e aprendendo o que não devem.

De acordo com o também professor Edivan Melo, a prática de esportes não é apenas um símbolo de cuidado com a saúde. “Os esportes têm sido, cada vez mais, uma ferramenta de integração e inclusão social. Durante a prática esportiva, crianças e jovens aprendem muito mais que as técnicas que envolvem o esporte. Aprende-se a ter respeito pelas regras e pelos outros jogadores, agregam-se o entendimento, o convívio com o coletivo, a resoluções de conflitos, o esforço e responsabilidade. Ao aliarmos esporte e educação de qualidade é possível que nossas crianças e jovens se sintam participantes da sociedade”, explica.

O Rondoniense

Below