Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Compensação de hidrelétrica por estiagem pode ser votada

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) tem reunião na terça-feira (10) com 13 itens na pauta de votações. O primeiro item da reunião, que começa às 10h, é o projeto que destina recursos do pré-sal para financiar gasodutos, prevê compensação para hidrelétricas prejudicadas por estiagem — o chamado risco hidrológico — e institui multa a ser paga por empresas concessionárias aos usuários dos serviços de energia elétrica em caso de interrupção no fornecimento.

O relator do PL 3.975/2019 é o senador Eduardo Braga (MDB-AM). A reunião da CAE será feita na sala 19 da Ala Alexandre Costa, no anexo 2 do Senado Federal.

O texto é uma emenda da Câmara dos Deputados a um projeto do ex-senador Ronaldo Caiado (PLS 209/2015). A proposta foi aprovada pelos senadores em novembro de 2018 e confirmada pelos deputados, com alterações, em junho de 2019.

A matéria tenta solucionar impasse entre o governo e geradoras que atuam no mercado livre de energia — em que a negociação do preço não sofre restrições —, que não aceitaram os termos da Lei 13.203, de 2015 para regular o chamado risco hidrológico.

O relator defende que a proposta não vai aumentar a conta de energia para os consumidores e que, por outro lado, vai representar um alívio para as indústrias, que são as principais beneficiárias do mercado livre de energia.

O projeto também cria o Fundo de Expansão dos Gasodutos de Transporte e de Escoamento da Produção (Brasduto) com recursos do Fundo Social do Pré-Sal, criado pela Lei 12.351, de 2010. O texto direciona para a expansão da rede de gasodutos 20% do dinheiro da venda do petróleo que cabe à União nos contratos de exploração do pré-sal sob o regime de partilha. Atualmente, todo o dinheiro dessa venda vai para o Fundo Social.

A emenda da Câmara prevê uma nova divisão dos recursos da venda desse petróleo, mantendo 20% para o Brasduto. Pelo texto, 30% continuarão com o Fundo Social, 50% serão repartidos entre estados e municípios e 20% serão destinados à União para aplicação em saúde e educação. Essa aplicação seguirá a proporção definida pela Lei 12.858, de 2013, de 75% para educação e 25% para saúde.

Serviço militar para mulheres

Também na pauta de votações da CAE está o PLS 213/2015, da ex-senadora Vanessa Grazziotin. O projeto prevê que mulheres possam prestar o serviço militar de forma voluntária. A matéria foi debatida na comissão na terça-feira (3), quando o relator, senador Esperidião Amin (PP-SC), apresentou relatório contrário ao projeto por conta do possível impacto no Orçamento das Forças Armadas.

Já a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) contestou o voto do relator, por entender que as mulheres devem ter o direito a optar pelo serviço militar. O senador Reguffe (Podemos-DF) acompanhou o argumento da colega. Segundo ele, com previsão orçamentária adequada não haveria razão para a rejeição da proposta.

Dois dias depois, Amin apresentou novo relatório, desta vez favorável à aprovação da proposta, na forma de um texto substitutivo que determina que as leis de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Orçamentária Anual (LOA) dos próximos exercícios financeiros deverão conter “previsão própria e suficiente para viabilizar a prestação voluntária”. Assim, a votação pode ocorrer na reunião da terça-feira (10).

Fonte: Agência Senado

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Brasil

Falta de matéria-prima importada ameaça fabricação de imunizantes contra a covid no país. IFA que chegaria esta semana para o Butantan só desembarca na...