Connect with us

Hi, what are you looking for?

Economia

Confiança da indústria cai 3,4 pontos em fevereiro ante janeiro, a 107,9 p.

CorreioBraziliense

O indicador está no menor nível desde setembro de 2020, quando o ICI ficou em 106,7 pontos

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 3,4 pontos em fevereiro ante janeiro, chegando a um total de 107,9 pontos, a segunda queda consecutiva depois de uma sequência de oito altas, informou nesta sexta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). Agora, o indicador está no menor nível desde setembro de 2020, quando o ICI ficou em 106,7 pontos. Em fevereiro, 13 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram queda da confiança.
Segundo Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens da FGV, a segunda queda seguida foi influenciada “por uma diminuição da satisfação dos empresários com relação ao momento atual e da redução de otimismo em relação aos próximos meses”.
O Índice de Situação Atual (ISA) caiu de 1,4 ponto e foi a 114,9 pontos no total, chegando ao menor nível desde outubro (113,7 pontos). O Índice de Expectativas (IE) também foi para baixo, diminuindo 5,4 pontos, a 100,9 pontos no total, menor nível desde agosto (99,6 pontos), sendo puxado para baixo principalmente por produção externa prevista para os próximos três meses, que caiu 10,4 pontos e chegou a 91,4 pontos, menor índice desde julho.
“A piora do IE decorre de menores projeções na demanda interna e externa gerando perspectivas menos otimistas em relação a produção prevista. Apesar da queda ter sido mais influenciada pelas expectativas, chama atenção a piora da situação dos negócios das empresas produtoras de bens de consumo não duráveis que, após ter atingido em dezembro o maior nível desde 2010, volta a patamar inferior ao considerado neutro (100 pontos), e menor desde julho de 2020. Tal insatisfação pode ter sido influenciada pelo período de interrupção dos benefícios emergenciais, afetando a demanda neste início do ano junto com preços mais elevados das matérias primas”, avalia Bittencourt.
O nível de estoques recuou 1,9 ponto e foi a 123,4 pontos. Cresceu a parcela das empresas que avaliam ter estoques insuficientes (de 12,9% para 13,2%), assim como a parcela das que entendem ter estoques excessivos (7,6% para 9,1%).
O Nível de Utilização da Capacidade Instalada também caiu, 0,8 ponto porcentual, e chegou a 79,1%. A edição de fevereiro da Sondagem da Indústria coletou informações de 1031 empresas entre os dias 1º e 24 do mês.
CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Rondônia

O avanço da covid-19 mantém Rondônia ainda em situação crítica para doença e a população precisa ficar atenta às restrições implementadas pelo Governo de...