Destaques Especiais

“Conhecereis a Verdade e a Verdade vos Libertarás” – Por Edmilson da Silva

Foto: Valor Econômico

Após o discurso do Presidente Jair Bolsonaro na ONU, semana passada, surgiu uma enxurrada de críticas nas redes sociais e na imprensa, dando ênfase a supostas inverdades proferidas pela autoridade máxima do País.

Não conferimos as informações repassadas naquele discurso e, portanto, não podemos afirmar se haviam mentiras. Mas pelo menos uma verdade absoluta sabemos, foi dita pelo Presidente naquele dia. O Brasil vive a maior campanha de desinformação da sua História. E o Governo Federal tem sido um dos mais fortes colaboradores para propagação de notícias no mínimo duvidosas, com meias verdades, dados incompletos ou manipulados, superestimados ou minimizados de acordo com a conveniência da informação.

É verdade que o Governo não está só. A internet tem sido campo vasto de oportunidades, explorado exaustivamente em todos os meios sociais por aqueles que querem se dar bem manipulando dados e divulgando notícias e acontecimentos, vendendo fantasias, causando uma verdadeira tragédia na formação sócio educacional da juventude brasileira. Porém, quando a informação é oficial, espera-se que ela seja confiável considerando a sua importância na vida de todos nós cidadãos.

Ontem, por exemplo, a SECOM, Secretaria de Comunicação do Governo Federal divulgou dados obtidos do INPE sobre as queimadas em 2020 e comparou com os dados de anos anteriores, para informar que o ano de 2020 foi o que mais teve queimadas da História.

Os dados são verdadeiros, mas a metodologia tem a clara intenção de confundir ou enganar mesmo o povo besta e ignorante da nossa república das bananas. Esclarecendo, os dados do INPE correspondem aos meses de janeiro a agosto de 2020 e foram comparados aos dados dos doze meses dos anos anteriores. Não custa lembrar que em agosto as queimadas estão praticamente no começo e evidentemente ainda estão longe de registrar o número real de queimadas ocorridas em qualquer ano.

E o problema não é só na informação oficial. A propaganda institucional também exagera na divulgação dos feitos governamentais. Lembram da obra da transposição? A conclusão de seis por cento do total da obra transformaram o Bolsonaro em Pai do empreendimento.

A BR 163, tem aproximadamente 1700 km. O Governo Bolsonaro asfaltou em torno de 51 KM , mas a propaganda ufanista da a entender que a estrada foi toda asfaltada no Governo Bolsonaro. E para dezembro deste ano está programada a inauguração de mais uma grande obra do Governo Bolsonaro. A ponte Rondônia – Acre.

Vale destacar que o trabalho de conclusão de obras inacabadas, oriundas de governos anteriores, é um excelente trabalho, digno de elogios, e que merecem aplausos por si só, sem a necessidade de superdimensionamentos. Mas para um governo eleito na crista da onda da fake news, a estratégia parece mais que conveniente.

É preciso avisar para a turma do governo que na eleição vale tudo, mas a eleição acabou e que o governo ao prestar conta de seus atos a sociedade precisa agir com transparência e muita responsabilidade sob pena de perda da credibilidade não só dentro do País, mas fora também.

E essa é a maior preocupação dos críticos do discurso do Presidente na Assembleia Geral das Nações Unidas. O mais irônico disso tudo é que na campanha para presidente e até depois de eleito o Bolsonaro não cansou de bradar de forma emblemática a frase Bíblica: “Conheceis a verdade e a verdade te libertarás. No entanto, a verdade de Bolsonaro, tem nos deixado a cada dia mais presos na estupidez e na ignorância.

José Edmilson da Silva é Engenheiro Agrônomo, Bacharel em Direito, Professor e Servidor Público Federal

Avatar

Rondoniense

1 Comentário

Clique aqui para publicar um comentário

  • O tema das Fakenews deve ser apropriado (e democraticamente controlado) pela sociedade em nome de sua própria sobrevivência enquanto direito ao exercício pleno (e livre) da cidadania!