Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Economia

Conta da crise hídrica vai ficar para o bolso do consumidor

Governo diz que racionamento não está nos planos e descarta apagão, mas prepara medidas para induzir consumidores a reduzir uso de eletricidade. A primeira sai até o fim do mês e pode aumentar a sobretaxa atualmente cobrada na conta de luz em 60%

CorreioBraziliense

Diante da pior crise hídrica em 91 anos, a segurança da geração de energia elétrica no país tem sido colocada em dúvida. A possibilidade de racionamento, embora negada pelo governo, voltou ao cenário. Especialistas ouvidos pelo Correio consideram remota a possibilidade de um apagão. Mas é consenso de que a conta da crise hídrica ficará para o bolso do consumidor.

Para o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Marcos Madureira, o consumidor não tem motivos para se preocupar com um apagão ou racionamento, pois hoje existem fontes de energia que garantem que isso não ocorra.

“Em momentos anteriores, não tínhamos outras fontes de energia, hoje nós temos, o que torna o risco de um racionamento muito menor. O que ocorre é que temos o uso mais intenso de termelétricas, o que eleva o custo”, explicou.

Segundo Madureira, a contribuição do consumidor é importante, e a economia deve ser feita, principalmente, nos horários de pico de energia, entre 18h e 21h. “Se conseguirmos reduzir o consumo, pode ser que não tenhamos que utilizar com tanta intensidade as térmicas mais caras”, reforçou.

Já Roberto Pereira D’Araújo, diretor do Instituto Ilumina, acredita na possibilidade de um racionamento, mas aponta que a crise hídrica é um problema antigo do país. “Pelos dados que temos, do período de 1951 até 1956, os rios que estão ruins agora já estavam ruins. Faltou investimento. Se tivéssemos outras usinas, outras fontes, não teríamos um problema tão grande”, comentou.

D’Araújo diz que as incertezas sobre um racionamento, em um país que tem hidrelétricas como maior fonte de energia, são grandes. A situação climática do país, segundo ele, é grave, pois as chuvas estão diminuindo nos últimos anos.

“O que tem que se fazer é como em 2001, quando se estabeleceu uma cota. Mas é difícil, quem consome pouco não vai ter de onde cortar. Enquanto isso, a indústria pode diminuir a produção, tem um contrato de energia, pode vender seu contrato e piora a situação de desigualdade. Eu não aposto que vai ter racionamento, mas acho que pode ter apagões. As usinas perdem a capacidade de responder rápido”, afirmou.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Destaques

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, com Rondônia registrando 1.460 casos da doença e 50 mortes, o governo de Marcos Rocha, através da...