Mundo

Coronavírus fecha escolas e já afeta 300 milhões de alunos no mundo

Quase 300 milhões de alunos já foram afetados em 22 países de três continentes pelo fechamento de escolas devido à expansão do coronavírus (Covid-19). Em 13 países, incluindo China, Coreia do Sul e Itália, o fechamento é a nível nacional, o que implica que atualmente 290,5 milhões de escolares têm que ficar em casa, segundo a Unesco (órgão da ONU para educação e cultura), que realizou a primeira contagem global da situação. Outros 180 milhões poderiam ser afetados em breve se os nove países que por enquanto limitam o fechamento às zonas de surto ampliarem a medida para todo o seu território – algo que Governos como o da França descartam neste momento.

No Brasil são oito casos de coronavírus conhecidos (um ainda não confirmado), e uma das vítimas é uma aluna da rede privada de São Paulo. A estudante de 13 anos do Colégio Bandeirantes teve o diagnóstico confirmado, apesar de não ter sintomas da doença. Em nota, a escola informou que a aluna, que havia visitado a Itália, não retornou as atividades escolares e não teve contato com a colegas e outros profissionais. “Seus pais e irmão também foram submetidos ao teste e o resultado foi negativo para o vírus. A família faz questão de reforçar que a filha só voltará às aulas quanto tiver alta e não houver mais nenhum risco de contágio”, declarou o Bandeirantes em nota.

A escola informa que está alinhada com a ações do Ministério da Saúde para contingência do coronavírus, por isso, nenhuma medida preventiva adicional, como quarentena de alunos que viajaram para área de risco, foi determinada. Por isso, apenas enviou um comunicado a todos os pais e alunos com informações em relação aos cuidados e ações preventivas para evitar o contágio e disseminação da doença. Outras escolas particulares de São Paulo orientaram membros da sua comunidade que estiveram em zonas de contágio do vírus a cumprir um tempo de quarentena de até duas semanas antes do retorno às aulas. É o caso da Lycée Pasteur, localizado na Vila Mariana, e da Avenues, no Jardim Panorama, ambos na zona sul de São Paulo, segundo informações obtidas pelo jornal Folha de S. Paulo.

O Governo do Estado de São Paulo, ondes estão seis dos casos confirmados, orientou as escolas públicas a realizarem uma semana de prevenção sobre o coronavírus. “Estamos vivendo um momento importante, e a Educação pode trazer uma grande contribuição para a saúde pública. Estimulamos que as escolas façam um dia de prevenção, explicando os sintomas e as preocupações que devemos ter”, disse o secretário de educação Rossieli Soares em nota. Outros materiais informativos, como o videoconferências e um Guia de Prevenção sobre o Coronavírus, também estão online.

O foco das campanhas públicas de fevereiro, no entanto, foram a vacinação contra o sarampo e a pólio, além da prevenção contra a dengue. Em 2019, o Brasil registou 18.203 casos de sarampo e 15 mortes. Neste ano, só em São Paulo, foram confirmados 246 casos da doença, uma criança morreu. O Estado registrou mais de 10 mil casos de dengue em janeiro, duas pessoas morreram.

“Situação sem precendentes”

A Unesco adverte que o coronavírus trata-se de uma situação “sem precedentes” por sua amplitude. E isso exige esforços coordenados de todos os Governos para garantir que o coronavírus não aumente ainda mais a disparidade social. O organismo pôs a disposição dos países uma lista de plataformas e mecanismos de aprendizagem à distância para compensar a perda de horário letivo.

A chave, como tudo nesta doença sobre a qual ainda se desconhecem tantas coisas, é o tempo que as escolas deverão passar fechadas. Se forem algumas poucas semanas, conforme previsto atualmente na maioria dos países – exceto a China, onde as crianças já estão há mais de um mês sem aulas –, o impacto não será necessariamente duradouro. Mas “caso os tempos se prolonguem, e cruzemos os dedos para que não seja assim, haverá um impacto seguro no direito a uma educação igualitária e inclusiva para todos”, disse nesta quinta-feira ao EL PAÍS a diretora-geral-adjunta da Unesco para assuntos educacionais, a italiana Stefania Gianni.

Os motivos são variados, inclusive se o fechamento dos colégios é apenas “temporário”, salienta a Unesco. Para começar, a redução do tempo de ensino influi no rendimento escolar. E, independentemente do impacto econômico para as famílias que se veem obrigadas a se ajustar à presença dos filhos em casa, o fechamento das escolas gera também “desigualdades educacionais”, já que famílias com mais folga econômica “tendem a ter níveis mais altos de educação e mais recursos para compensar” a perda de aulas, além de proporcionar atividades que compensem a falta do colégio.

Em todo caso, e assim como na corrida para conter a epidemia e obter uma cura ou vacina, a rapidez é essencial. “Quanto mais rápido conseguirmos implementar uma resposta adaptada mediante a tecnologia e os sistemas de aprendizagem à distância, melhor serão as perspectivas inclusive se a situação se prolongar”, afirma Gianni.

Por isso, a Unesco anunciou uma reunião de urgência – embora virtual, dada a situação – dos ministros de Educação na terça-feira que vem para “compartilhar respostas e estratégias de continuação da aprendizagem” que “garantam a inclusão e a equidade”, salienta o organismo com sede em Paris. Mas já começou a agir, propondo em seu site uma lista de ferramentas de educação à distância em diversas plataformas e idiomas – por enquanto, os dos países afetados – para “compensar” a suspensão das aulas e, salienta Gianni, não “obrigar a contrapor o direito à saúde ao direito à educação”.

 

Por – El País