Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Covid-19: atrasos ameaçam a aplicação da segunda dose da vacina

Problemas na gestão de imunizantes devem comprometer o calendário de reforço na vacinação contra a covid-19. Instituto Butantan, fabricante da CoronaVac, a mais utilizada no país, diz que é responsável somente pela produção do fármaco

19/01/2021 Crédito: Breno Esaki/Agencia Saúde DF. Secretaria de Saúde vacina primeiros idosos contra a covid-19

A lenta imunização contra a covid-19 no Brasil ameaça a aplicação da segunda dose de vacinas no país. O problema é mais evidente no reforço da CoronaVac, o imunizante mais utilizado nacionalmente. Diversas cidades já anunciaram a suspensão da aplicação da segunda dose do fármaco produzido pelo Instituto Butantan. Ontem, o Ministério da Saúde recomendou que a população tome a segunda dose mesmo fora do prazo estipulado pela bula. Foi a maneira encontrada para dizer o inevitável: haverá atraso no reforço da vacinação contra a covid-19.

“A população deve tomar a segunda dose da vacina contra a covid-19 mesmo que a aplicação ocorra fora do prazo recomendado pelo laboratório. Essa é a orientação do Ministério da Saúde, que reforça a importância de se completar o esquema vacinal para assegurar a proteção adequada contra a doença”, disse a pasta, em nota. As duas vacinas contra a covid-19 disponíveis no Programa Nacional de Imunizações (PNI) exigem dupla aplicação. Enquanto a CoronaVac demanda um intervalo de quatro semanas, a vacina de Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Brasil, precisa de reaplicação no intervalo de 12 semanas.

A recomendação ocorre um dia depois do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reconhecer a existência de dificuldades no fornecimento da segunda dose da CoronaVac. “O que tem nos causado certa preocupação é a CoronaVac, a segunda dose. Tem sido um pedido de governadores e prefeitos, porque, se os senhores lembram, cerca de um mês atrás, se liberou as segundas doses para que se aplicassem. E agora, em face do retardo de insumo vindo da China para o Butantan, há uma dificuldade com essa 2ª dose”, justificou Queiroga, na última segunda-feira (26), durante sessão da Comissão da Covid-19, no Senado Federal.

O Instituto Butantan, responsável pela CoronaVac, esclarece que a responsabilidade da organização se limita a produzir e distribuir o imunizante ao governo federal. “O Instituto Butantan esclarece que o Ministério da Saúde é o responsável por planejar e coordenar a campanha de vacinação contra a covid-19 em todo o Brasil. Todo o esquema vacinal, definição de públicos-alvo e de intervalos entre as doses, assim como a logística de distribuição das vacinas aos estados e as devidas orientações técnicas sobre a vacinação competem à pasta federal”, informou o instituto.

O atraso na entrega de novos lotes da CoronaVac ameaça o cronograma de grupos que já tomaram a primeira dose do imunizante. Segundo o ministério, ao todo, 416.507 pessoas que tomaram a primeira dose da vacina, na 13ª e 14ª etapas de distribuição, permanecem com o esquema vacinal em aberto. Esse contingente é formado por três grupos prioritários: trabalhadores da saúde, forças de segurança, salvamento e Forças Armadas e idosos entre 60 e 64 anos. “A previsão de envio da segunda dose para esses grupos é para a primeira semana de maio, cumprindo o ciclo vacinal no tempo adequado”, disse o ministério.

Eficácia

Apesar disso, a pasta reforça que a recomendação é para que as pessoas tomem a segunda dose, mesmo que a aplicação ocorra fora do prazo determinado. A nota técnica do Ministério da Saúde enviada ao estados diz ser “improvável que intervalos aumentados entre as doses das vacinas contra a covid-19 ocasionem a redução na eficácia do esquema vacinal”.

No entanto, a pasta ressalta que “os atrasos em relação ao intervalo máximo recomendado para cada vacina (4 semanas para CoronaVac/12 semanas para Oxford) devem ser evitados, uma vez que não se pode assegurar a devida proteção do indivíduo até a administração da segunda dose”.
Tazio Vanni, infectologista do Hospital Águas Claras, ressalta a necessidade da segunda dose na imunização. “Os estudos clínicos das duas vacinas mais utilizadas no país mostraram ser de suma importância que sejam aplicadas as duas doses para que se reduza o risco de se desenvolver a doença, especialmente as formas graves. Tomar apenas uma dose, além de ser insuficiente para a resposta imune desejada, pode dar uma falsa ideia de proteção e gerar uma maior exposição ao risco”, explicou.

Mais prioridade para grávidas

Após incluir gestantes com comorbidades no grupo prioritário de vacinação contra a covid-19, o Ministério da Saúde autorizou todas as gestantes e mulheres puérperas com até 45 dias de pós-parto a terem prioridade na imunização. A inclusão foi feita após a pasta considerar o “aumento no número de óbitos maternos pela covid-19”. A categoria, estimada em 3 milhões de pessoas, vai receber doses da CoronaVac, AstraZeneca e também da Pfizer. A coordenadora do Programa Nacional de Imunização, Franciele Francinato, detalhou a imunização das grávidas e puérperas. “Estaremos fazendo essa vacinação de gestante em duas fases. A primeira vai iniciar no grupo de comorbidades. Em uma segunda fase, vamos trabalhar com gestantes e puérperas, independentemente de ter uma condição preexistente ou não”, explicou.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Mundo

Atualmente, é comum que navegadores de internet como o Google Chrome ou o Safari já venham de fábrica instalados diretamente nos sistemas operacionais. Porém,...