Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Brasil

Covid-19: Pfizer vai fabricar 100 milhões de doses no Brasil

Apesar de ter sido desdenhada quando ofereceu imunizantes à Saúde, no ano passado, farmacêutica americana fecha acordo com país. Primeiras unidades devem sair em 2022. Intenção é distribuir para a América Latina

CorreioBraziliense

Um ano depois de enfrentar problemas com o Ministério da Saúde para tentar fechar contratos de fornecimento de vacinas contra a covid-19, a Pfizer e a BioNTech anunciaram, ontem, um acordo com a farmacêutica brasileira Eurofarma para produzir o imunizante contra o novo coronavírus no Brasil. A capacidade de produção nacional, que deve começar no próximo ano, é de mais de 100 milhões de doses, e a ideia é distribuir para toda a América Latina. A Comirnaty (nome comercial da vacina) é a única com base na tecnologia do RNA mensageiro oferecida no país.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, atribuiu o fechamento do acordo da Pfizer com a Eurofarma à credibilidade que o Brasil desfruta junto à farmacêutica americana. Porém trata-se de uma visão otimista, que desconsidera a demora do país em responder os oferecimentos de vacina, no ano passado, que poderiam ter antecipado a imunização dos brasileiros contra o novo coronavírus. A CPI da Covid mostrou, em junho, mais de uma centena de tentativas para negociar o fármaco com o governo brasileiro foram ignoradas.

Atualmente, o país utiliza as vacinas da Pfizer no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19, mas as doses vêm prontas do exterior. Em junho, o imunizante foi incluído oficialmente no Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec), o impacto econômico obtido com o uso do imunizante, juntamente com a vacina da AstraZeneca, proporcionará uma economia de até R$ 150 bilhões aos cofres públicos nos próximos cinco anos.

“Até esta semana, entregamos mais de 50 milhões de vacinas Pfizer ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). E, até o final de setembro, mais 50 milhões. E, hoje, mais um passo importante: esperamos que, por meio dessa iniciativa, possamos ampliar o nosso trabalho no combate à pandemia”, disse a presidente da Pfizer Brasil, Marta Díez.

Ambiente liberal

Em um novo momento da relação entre o país e a empresa, o ministro da Saúde ressaltou os pontos que atraíram a companhia ao Brasil. “Por que a Pfizer quis vir para o Brasil? Porque a Pfizer é inteligente e sabe que, neste país, tem um governo liberal, um governo que respeita a legislação, um governo que quer participar nas áreas fundamentais como saúde e educação, mas quer deixar a iniciativa privada trabalhar”, disse Queiroga, no evento que celebrou o acordo entre as farmacêuticas.

De acordo com o ministro, a vinda da Pfizer ao Brasil trará um novo cenário para o sistema de saúde e ampliará a capacidade de geração de emprego e renda. Ele ainda ressaltou que a aprovação da reforma tributária suscitará mais o investimento privado. O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, também estava presente no anúncio e agradeceu a Pfizer pela confiança no Brasil.

“Existem diversos outros países no mundo na expectativa de sediar essa fábrica, que, em um primeiro momento, pode fabricar (vacinas) para a imunização nacional. Mas não tenho dúvida de que em pouco tempo serão distribuídas vacinas para toda a América Latina”, observou.

O Brasil já comprou 200 milhões de doses da vacina da Pfizer, que serão entregues até o final do ano. Para o próximo ano, ainda não há nenhum acordo feito entre o Ministério da Saúde e a farmacêutica americana.

Mas uma nova leva de vacinas pode ser comprada diante da necessidade de aplicação de uma “dose extra” para aumentar a resposta imune de indivíduos com o esquema vacinal completo. O ministério anunciou, nesta semana, a disponibilização de dose de reforço nos idosos com mais de 70 anos e nas pessoas imunossuprimidas. O público-alvo dessa terceira aplicação, no entanto, pode aumentar.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Destaques

Em 13 de setembro de 1943, foi criado o Território Federal do Guaporé, pelo então presidente do Brasil, Getúlio Vargas. A política do Estado...