Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Rondônia

Cremero reforça orientação de protocolo para prevenção de infecção respiratória na infância

Com objetivo de garantir a efetividade do tratamento preventivo do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) em Rondônia, a Agevisa reforçou a orientação quanto à prescrição por parte dos profissionais médicos do Palivizumabe, conforme as indicações descritas no protocolo. O Vírus é sazonal e considerado a maior causa de infecção respiratória na infância, podendo ser confundido com um simples resfriado em crianças acima de dois anos de idade, ou adultos saudáveis. O Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero) reforça a divulgação através de seus canais de comunicação e departamento de Registro de Especialidade.

Em Rondônia, o período de sazonalidade do vírus ocorre de fevereiro a junho de cada ano e o protocolo recomenda que o período de aplicação seja iniciado um mês antes do início da sazonalidade, assim a aplicação deve ser iniciada em janeiro de cada ano. “Junto com a prescrição em receituário, o especialista deve preencher o formulário específico de indicação do Palivizumabe, disponível nos polos referenciados, bem como dar todas as orientações aos responsáveis pela criança, facilitando o processo de compreensão familiar. Cada criança poderá receber no máximo 5 doses intramuscular, de 15mg/kg de peso, com intervalo de 30 dias entre as doses, sendo o produto seguro que não apresenta eventos adversos importantes além de reações locais, raras, leves e transitórias”, destacou o pediatra e Conselheiro do Cremero, Dr. José Roberto Vasquez.

O presidente do Cremero, Dr. Robinson Machado explicou que o protocolo com o Palivizumabe  está  indicado  para  a prevenção  de  infecção  do  trato  respiratório  inferior  causado  por  este  vírus em crianças com maior risco de complicação da doença, ou seja, crianças  menores  de  um  ano  de  idade  que nasceram prematuras com  idade  gestacional  menor  ou  igual  a  28 semanas (até 28 semanas e 6 dias), crianças  menores  de  2  anos  de  idade  com doença  pulmonar crônica da prematuridade, displasia broncopulmonar e crianças  menores  de  2  anos  de  idade  com  doença cardíaca congênita com repercussão hemodinâmica demonstrada. “É fundamental a divulgação em massa deste protocolo, e também a adesão dos profissionais, para cuidar de nossas crianças”, acrescentou.

Eficácia e polos de aplicação

A administração mensal do anticorpo durante a sazonalidade do VSR reduziu de 45% a 55% a taxa  de  hospitalização relacionada à infecção por este vírus. O Diretor Geral da Agevisa, Edilson Batista da Silva, ressaltou que todos os serviços de saúde autorizados para aplicação de Palivizumabe devem  seguir  o  período  de  sazonalidade  do  vírus  sincicial respiratório,  otimizando  o  uso  da medicação com  agendamento  de  um  grupo  de crianças que tenham indicação para o mesmo dia, desta forma evitando o desperdício  do  produto. “Como não há  tratamento  específico  para  a  infecção  por  VSR,  a principal forma de prevenção é por meio do Palivizumabe que não é uma vacina, mais  sim  um  anticorpo monoclonal  humanizado  que  demonstrou  ser  eficaz  na prevenção das doenças graves pelo VSR por apresentar atividade neutralizante e inibitória  da  fusão  contra  este  vírus”, acrescentou.

Os polos de aplicação no Estado de acordo com o município de residência do paciente são:

PORTO VELHO – Hospital Base/CRIE. Referência para atender os municípios de Porto Velho, Candeias do Jamari, Itapuã D’Oeste, Guajará-Mirim, Nova Mamoré e toda demanda do Estado.

ARIQUEMES  –  Hospital  Municipal  da  Criança. Referência  para  atender  os  municípios  de  Ariquemes, Cujubim, Rio Crespo, Alto Paraíso, Cacaulândia, Machadinho D’Oeste, Monte Negro, Campo Novo de Rondônia e Buritis.

JI  PARANÁ  –  Centro  de  Atenção  Materna  Infantil (CREAMI). Referência  para atender  os  municípios  de  Ji-  Paraná,  Jaru,  Ouro  Preto D’Oeste,  Presidente  Médici,  Theobroma,  Vale  do  Anari,  Governador  Jorge Teixeira,  Vale  do  Paraíso,  Teixeirópolis,  Urupá,  Mirante  da  Serra,  Nova União, Alvorada D’Oeste, São Francisco e Costa Marques.

ROLIM  DE  MOURA  –  Hospital  Municipal  Amélio  João  da  Silva. Referência para atender os  municípios  de  Rolim  de  Moura,  Alta Floresta,  Alto  Alegre,  Castanheiras,  Novo  Horizonte,  Nova  Brasilândia D’Oeste, Santa Luzia D’Oeste, Seringueiras, Parecis e São Miguel.

CACOAL – Hospital Regional de Cacoal – HRC. Referência  para atender  os  municípios  de  Cacoal, Ministro Andreazza, Pimenta Bueno, Primavera de Rondônia, São Felipe e Espigão D’Oeste. Temporariamente, Cacoal também está responsável por Vilhena, Chupinguaia, Colorado D’Oeste, Cabixi, Cerejeiras, Pimenteiras e Corumbiara.

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Destaques

Em 13 de setembro de 1943, foi criado o Território Federal do Guaporé, pelo então presidente do Brasil, Getúlio Vargas. A política do Estado...