Cultura Filmes Videos

CRÍTICA – James Cagney conquista a fama sendo o Inimigo público – Por Humberto Oliveira

Sob a direção inspirada de William Wellman, o ator James Cagney fez seu primeiro grande protagonista no cinema na obra prima Inimigo público n. 1. Cagney literalmente rouba a cena com sua interpretação do gângster Tom Power, um psicopata violento e cheio de ginga e trejeitos. O filme conta com a loura platinada Jean Harlow e Edward Woods, como Matt Doyle, papel que a princípio seria de Cagney, porém duas semanas antes do início da filmagem, estreou O milionário, estrelado por Cagney, ainda desconhecido, mas os produtores perceberam que ele tinha tudo para se tornar um novo astro devido ao carisma mostrado na tela mesmo sendo um coadjuvante. Então houve a troca nos papéis. Ele passou a interpretar o protagonista Tom e Woods, cotado para o papel, teve de se conformar em assumir o personagem Matt, braço direito do gângster. Os produtores acertaram na mosca.

O filme, que começa com um letreiro informando que a intenção dos roteiristas não é glorificar um bandido, mas as consequências dos atos e o destino dos fora da lei, mostra a marcante interpretação de James Cagney com o bandido durão Tom Powers, um crápula da época violenta da Lei Seca. O longa de Wellman é um relato cru e impactante, quase um documentário da vida de dois garotos que crescem para se tornarem gângsters perigosos.

Elogiado por Martin Scorsese, O inimigo público apresenta aspectos que outras produções do gênero adorariam. Wellman, um cineasta habilidoso e criativo, entrega um filme de gangster, cuja violência nunca é mostrada, por exemplo, a cena do piano. A câmera se afasta e ouvimos apenas os tiros ou ainda o confronto final que acontece fora do quadro. Porém, na última cena, Wellman não poupa o público com um encerramento chocante.

James Cagney estrelou dezenas de filmes do gênero, mas ganhou um Oscar de melhor ator por sua atuação no musical biográfico A canção da Vitória. Desta coleção da Warner, Cagney estrela Anjos de cara suja, Heróis esquecidos, talvez o melhor filme da coleção, e o extraordinário Fúria sanguinária, o ápice de todos os seus personagens do gênero.