Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Dependência da matéria-prima externa prejudica vacinação no Brasil

Falta de matéria-prima importada ameaça fabricação de imunizantes contra a covid no país. IFA que chegaria esta semana para o Butantan só desembarca na próxima. Ainda assim instituto assegura que cumprirá cronograma com a Saúde. Conass, porém, vê risco de apagão

CorreioBraziliense

A dependência de importação de insumo farmacêutico básico (IFA) ameaça a produção de vacinas contra a covid-19 no Brasil. O atraso na chegada da matéria-prima, que é produzido pela China, para o Instituto Butantan, põe em risco a fabricação da CoronaVac, que vem sendo a espinha dorsal do Plano Nacional de Imunização (PNI). Apesar de garantir que não haverá interrupção na elaboração do fármaco, e que o cronograma de entregas de doses para o do Ministério da Saúde está mantido, o diretor do Butantan, Dimas Covas, reconheceu que estava prevista para esta semana a chegada de um novo carregamento de IFA. Mas, devido à burocracia, só desembarca no Brasil na próxima.

“O Instituto Butantan esclarece que não interrompeu a produção da vacina contra o novo coronavírus. Todas as doses provenientes do IFA recebidas da China já foram envasadas. Neste momento, cerca de 2,5 milhões de vacinas encontram-se em processo de inspeção de controle de qualidade para serem entregues, na semana que vem, ao Programa Nacional de Imunizações. Desde janeiro, o Butantan já entregou 38,2 milhões de doses da vacina ao país. Com uma nova remessa de IFA, prevista para a próxima semana, será possível integralizar todas as 46 milhões de doses referentes ao primeiro contrato com o Ministério da Saúde até o dia 30 de abril”, explica a nota do Butantan, divulgada ontem à noite.

Mais cedo, Dimas Covas disse que “nosso pedido em relação à Sinovac e à China é de que haja um aumento do volume de matéria-prima para que possamos adiantar a produção e, aí, quem sabe, adiantar a entrega dos 100 milhões de doses para julho”.

Desabastecimento

Entretanto, o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Eduardo Lula, assegura que o Brasil corre o risco de sofrer um apagão de vacinas nas próximas semanas. Entre os motivos para a falta de imunizantes, ele destacou, em entrevista à rádio CBN, a incerteza de chegada das doses prometidas pelo ministério e dificuldade de importação de insumos da China pelo Butantan.

Lula disse que o Brasil, hoje, sofre com decisões erradas do passado. “A gente apostou mal, a gente rejeitou vacinas e, agora, não tem vacina suficiente para o Brasil. A gente tinha condição de ter começado a vacinar em novembro do ano passado”, afirmou.

Os riscos se potencializam com as dificuldades encontradas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em dar tração à sua produção. Isso porque, para esta semana, em que era prevista a disponibilização de 3,2 milhões de doses, o laboratório só entregará 2 milhões. Segundo a instituição, não há qualquer indicação de possível atraso no fornecimento de IFA por conta do avanço da vacinação na China. No entanto, falhas técnicas ocorridas em março e que demandaram importação de novas peças, atrasaram a produção, o que ainda reflete na entrega atual.

A previsão de entrega de 21,1 milhões de injeções pela Fiocruz foi reduzida para 19,7 milhões até o fim do mês — no início, eram 30 milhões de unidades para abril. A instituição garante fabricar 900 mil doses diárias em duas linhas de produção.

Doses previstas para abril

CoronaVac/Butantan 3,2 milhões (sem mais IFA) ou de 4,6 a 10 milhões (com mais IFA)

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Rondônia

O avanço da covid-19 mantém Rondônia ainda em situação crítica para doença e a população precisa ficar atenta às restrições implementadas pelo Governo de...