Mundo

Em Brasília, chanceler da Argentina acena com trégua e pede ajuda do Brasil

Em sua primeira viagem oficial ao Brasil, o ministro das Relações Exteriores da Argentina, Felipe Solá, afirmou que o país vizinho adotará uma postura “pragmática e realista” nas relações com o Brasil. Após meses de trocas de farpas entre os presidentes Jair Bolsonaro e Alberto Fernández, antípodas ideológicos, o chanceler levantou uma bandeira de paz e pediu, sem rodeios, que “os irmãos brasileiros” apoiem o país nas negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Atualmente, a Argentina negocia com detentores de títulos e outros credores para reestruturar uma dívida de 100 bilhões de dólares. Ao FMI, o país deve cerca de 44 bilhões de dólares. “Pedimos aos nossos irmãos brasileiros que nos apoiem como puderem junto ao FMI. Será um primeiro passo para o que vier depois [negociação com credores privados]”, disse o chanceler que ressaltou que tem tentado obter também o apoio de países europeus. Nesta quarta-feira chegou a Buenos Aires uma missão do Fundo, disposta a analisar com a Casa Rosada a viabilidade de um novo plano de pagamentos.

Durante a tarde, Solá se reuniu com o presidente Bolsonaro e agendou um encontro com seu homólogo Fernández, no dia 1º de março, no Uruguai, antes da posse do presidente Luis Lacalle Pou. O fato de o ultradireitista brasileiro ter feito questão de receber o chanceler vizinho também foi um sinal do degelo em curso. Mais cedo, o ministro das Relações Exterior se reuniu com o chanceler brasileiro Ernesto Araújo no Itamaraty. Ao final do encontro, Solá relatou a “recessão profunda” que o país atravessa e garantiu que a Argentina não entrará em calote novamente.

Em um aceno ao Governo brasileiro, Solá sinalizou que o presidente argentino não colocará travas para o avanço das negociações do Mercosul com outros países. “Entendemos que o Mercosul para crescer precisa fazer acordo para o livre comércio com outros países. Israel, Centro América, Líbano, Singapura. Temos de ter a mente aberta para os acordo e vamos tratar de não ser um entrave”, disse o chanceler argentino. Araújo foi receptivo a fala e afirmou que a “convicção e expectativa de contar com a parceria da Argentina para consolidação do Mercosul. “Brasil e Argentina estão na mesma página em crescimento, segurança e valores democráticos”, afirmou o chanceler brasileiro.

No ano passado, o bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai concluiu as negociações com a União Europeia e com a Associação Europeia de Comércio Livre. Os acordos foram selados, no entanto, pelo governo liberal de Maurício Macri, e havia um receio de que o peronista moderado Fernández pudesse representar um obstáculo para a ratificação dos documentos.

 

Fonte – El País