Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Em homenagem ao 8 de março, CCJ analisa projetos de combate à violência contra a mulher

Após a votação da proposta que extingue os fundos públicos infraconstitucionais (PEC 187/2019), primeiro item da pauta da reunião de quarta-feira (4), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) vai se dedicar a vários projetos de interesse das mulheres, em relação com o Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. A iniciativa já se tornou uma tradição da comissão, como lembrou a presidente, senadora Simone Tebet (MDB-MS), na última reunião.

Entre as matérias listadas está o Projeto de Lei do Senado (PLS) 381/2018, que obriga o condenado por violência contra a mulher a pagar indenizações financeiras, à própria vítima ou aos seus filhos, em caso de morte.

Pelo texto, o condenado por feminicídio e por crimes de violência doméstica e familiar e de estupro contra a mulher deverá pagar indenização que varia de R$ 500 a R$ 100 mil à vítima. Essa pena poderá ser aplicada juntamente com a de prisão, já prevista no Código Penal. O valor será calculado de acordo com as circunstâncias e as consequências do crime, a situação financeira do criminoso e o prejuízo à saúde da vítima. O texto estabelece que o valor da indenização poderá ser multiplicado por dez caso seja necessário à prevenção e repressão do crime.

“Os crimes que envolvem violência contra a mulher, máxime o estupro, o feminicídio e a lesão corporal, são de elevado grau de reprovabilidade, pelo que demandam maior reprimenda estatal. Para além disso, quanto mais se puder aproximar da devida e efetiva assistência e reparação dos danos causados à vítima, assim deve ser feito”, defendeu o relator, senador Marcos Rogério (DEM-RO).

Indenização

Nos casos de lesão corporal, a indenização será no mínimo de R$ 500 e no máximo de R$ 80 mil. Quando ocorre estupro, violência doméstica e familiar ou feminicídio, esse pagamento poderá chegar a R$ 100 mil, e deverá ser feito aos descendentes da vítima fatal ou, caso não haja, a entidade pública ou privada destinada a acolher e amparar mulheres vítimas de violência doméstica e familiar.

O texto estabelece ainda a apuração da responsabilidade civil e criminal da pessoa que, visando a ser indenizada, faça denúncia falsa. Pelo Código Penal, essa pessoa pode ser condenada a reclusão, de dois a oito anos, mais multa.

O PLS 381/2018 é do ex-senador Cristovam Buarque, mas Marcos Rogério redigiu texto alternativo para fazer ajustes. Ele considerou que a rubrica correta para a proposição seria “pena de prestação pecuniária” e não “pena de perda de bens e valores”, como estabelecia o texto original de Cristovam.

Violência

Segundo o Atlas da Violência 2019, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), houve um aumento de 30,7% no número de feminicídios no Brasil entre 2007 e 2017, com cerca de 13 assassinatos por dia. Ao todo, 4.936 mulheres foram mortas em 2019, o maior número registrado desde 2007. Nesse período, houve crescimento da taxa em 17 estados, sendo o maior índice o do Rio Grande do Norte, de 214,4%, seguido por Ceará (176,9%) e Sergipe (107,0%). Já no ano de 2017, o estado de Roraima respondeu pela maior taxa, com 10,6 vítimas de homicídio por grupo de 100 mil mulheres, índice mais de duas vezes superior à média nacional (4,7). Os índices com maior redução foram os do Distrito Federal, Espírito Santo e São Paulo, entre 33,1% e 22,5%. De acordo com o estudo, a média de aumento no Brasil em 2017 foi de 6,3% em relação ao ano anterior.

O PLS 381/2018 altera o Código Penal (Lei 2.848, de 1940) e a Lei Maria da Penha (Lei 11.340, de 2006), e será submetido a uma segunda votação na comissão. Se aprovado e não houver recurso para votação pelo Plenário, seguirá para a Câmara dos Deputados.

Estatística

Também na pauta o texto elaborado pela Câmara (SCD 3/2018) ao PLS 8/2016, que cria a Política Nacional de Dados e Informações relacionadas à Violência contra as Mulheres (Pnainfo). A intenção da medida é permitir a rápida implantação de uma política de coleta de dados relativos à violência contra a mulher, medida essencial para o enfrentamento da questão. A matéria é de autoria da Comissão de Direitos Humanos (CDH) e tem como relatora a senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), favorável à redação da Câmara.

A reunião ocorrerá na sala 3 da Ala Senador Alexandre Costa, a partir das 10h.

Fonte: Agência Senado

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Brasil

Falta de matéria-prima importada ameaça fabricação de imunizantes contra a covid no país. IFA que chegaria esta semana para o Butantan só desembarca na...