Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Em meio a atrito, Brasil negocia com a China equipamentos contra covid-19

O Brasil tem enfrentado obstáculos para comprar da China equipamentos hospitalares para o combate ao coronavírus. O país asiático é o maior produtor de máscaras e de respiradores no planeta, e a pandemia da covid-19 fez com que aumentasse a demanda mundial por esses equipamentos. Lei da oferta e da procura: a China tem margem para negociar e fazer exigências.

“É uma guerra de vida e morte”, define o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, Charles Tang. “Como o mundo inteiro está brigando para comprar, os produtores da China estão pedindo o pagamento adiantado.” Apesar de equipamentos chineses já estarem sendo esperados no Brasil, contratos de compra não são garantias de recebimento em meio a essa disputa comercial.

Para piorar a situação, ocorreram recentemente dois atritos diplomáticos entre Brasil e China. O último deles envolveu o ministro da Educação, Abraham Weintraub, que no último sábado (5) ofendeu os chineses publicando um post nas redes sociais.

Weintraub usou o Cebolinha, da Turma da Mônica, para ridicularizar o sotaque dos chineses e insinuar que o país asiático sairia fortalecido da crise mundial causada pela covid-19. Em resposta, a embaixada da China afirmou que as declarações eram difamatórias, tinham cunho “racista” e eram “influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil”. O ministro retirou o post sem pedir desculpas, e o governo federal não se desculpou.

No dia 18 de março, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), escreveu uma mensagem no Twitter responsabilizando o governo chinês pela pandemia do novo coronavírus.

Enquanto isso, municípios, estados e o governo federal enfrentam obstáculos para comprar máscaras, ventiladores, macacões e insumos do país asiático. O Ministério da Saúde tem uma compra assinada com uma fábrica chinesa para receber 15 mil respiradores, com o pagamento de R$ 1 bilhão. Essa aquisição aumentaria em um terço o total de aparelhos disponíveis no Brasil nos hospitais públicos pelo SUS.

Mandetta conversa com embaixador

Ontem o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, afirmaram que, em conversa telefônica, ambos estabeleceram reforço na colaboração bilateral, especialmente entre os Ministérios da Saúde da China e do Brasil para combater o coronavírus.

Segundo Wanming, o acordo entre os dois países será para o compartilhamento de experiências sobre a covid-19 e no “enfrentamento conjunto desse desafio global.”

Em declaração anterior, Mandetta havia afirmado que, com o mercado atual, ele só estará seguro da entrega quando os equipamentos estiverem no Brasil.

O Ministério da Infraestrutura deve mandar aviões para pegar os respiradores, tal a importância estratégica da chegada dos equipamentos ao Brasil. Há outras compras fechadas com empresas chinesas, de acordo com o Ministério da Saúde.

A Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro informou que aguarda a chegada de outros 900 respiradores e EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) de empresas chinesas.

A força chinesa no mercado de insumos hospitalares

A China é produtora de mais da metade das máscaras no mundo: aumentou a sua produção de 10 milhões para 115 milhões por dia, depois de arrefecer a pandemia no país. Também é a maior produtora de respiradores do planeta.

No início da pandemia, os chineses importaram 56 milhões de máscaras e respiradores, como revelou o “New York Times”, concentrando ainda mais os produtos em seu país. A produção de macacões e insumos para testes de PCR —os mais confiáveis para diagnosticar o novo coronavírus— também estão concentrados no país asiático.

O Brasil necessita de todos esses produtos, tendo poucos testes disponíveis e um número de equipamentos e leitos limitados diante da expansão da pandemia. Não é a única nação dependente: há uma disputa comercial intensa por esses equipamentos e substâncias. Ou seja, já existia uma forte concorrência, com desvantagens para o Brasil, antes mesmo dos atritos criados pelo ministro da Educação e pelo deputado Eduardo Bolsonaro.

“Isso é uma dificuldade para os municípios e estados. Você é o dono de uma fábrica de ventiladores, chega um governo e diz: ‘Assinei um pedido. Manda para mim’. Outra empresa chega e fala: ‘Está aqui o dinheiro, o dobro’. O que esse dono da fábrica vai fazer? Não recebeu nada ainda”, exemplifica Charles Tang.

Foi o caso dos respiradores comprados pelo estado da Bahia e confiscados nos EUA no meio do caminho, em parada do voo, como informado pela Folha de S.Paulo.

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China conta que tem ajudado governos estaduais e municípios fazendo uma ponte com empresas chinesas que podem dar crédito para pagamento antecipado, como uma forma de garantia.

Questionado sobre as declarações do ministro da Educação e de Eduardo Bolsonaro, Tang disse que o Brasil deveria buscar defender seus interesses nacionais em primeiro lugar.

“Hoje, em um mundo em guerra contra um inimigo comum, tem que pensar no interesse nacional. Com a experiência que já teve, ao conseguir debelar a epidemia, a China está ajudando o mundo inteiro. Não só com equipamentos, mas também com médicos. Acho que não podemos agir contra os interesses nacionais”, concluiu Tang.

UOL

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Rondônia

Nesta manhã, a diretoria do SINPOL, reuniu-se com o Secretário de Saúde, Dr. Fernando Máximo, com o Secretário de Segurança Adjunto, Dr. Hélio Gomes...