Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Brasil

Estudo sobre 3ª dose de AstraZeneca terá 10 mil voluntários

Aproximadamente 10 mil voluntários, que já participaram dos estudos anteriores com a vacina da AstraZeneca e receberam duas aplicações, serão testados com a injeção de reforço para saber se há aumento da eficiência imunológica no combate ao novo coronavírus

CorreioBraziliense

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, ontem, um estudo para avaliar a necessidade de uma terceira dose da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Oxford, fabricada no país pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A pesquisa de fase 3, que vai avaliar a segurança, eficácia e a capacidade de produzir imunidade contra o novo coronavírus, com mais uma aplicação do imunizante, será realizada somente no Brasil. Ao todo, 10 mil voluntários de cinco estados — Rio Grande do Sul, São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte — participarão dos testes. Também ontem, a Pfizer iniciou no país um estudo clínico, aprovado pela Anvisa no mês passado, para testar uma dose de reforço pela vacina que produz.

Os voluntários que receberão a terceira dose da AstraZeneca são pessoas que participaram do estudo inicial e, assim, receberam as duas aplicações — será aplicada entre 11 e 13 meses após a segunda. Segundo a Anvisa, o voluntário não saberá se receberá uma injeção de placebo ou de vacina. “Serão incluídos voluntários, com idade entre 18 e 55 anos, que estejam altamente expostos à infecção com o novo coronavírus, como profissionais de saúde. Não serão incluídas gestantes ou pessoas com comorbidades”, explicou a agência reguladora.

A possibilidade de uma terceira rodada de imunização contra a covid-19 é considerada também pela Pfizer. O estudo foi aprovado pela Anvisa e começou ontem em dois centros, que também participaram da primeira pesquisa com a vacina no ano passado. A dose de reforço será aplicada em voluntários com 16 anos ou mais pelo menos seis meses depois da aplicação da segunda injeção.

Ao todo, 885 brasileiros participarão dos testes. Metade foi recrutada pelo centro clínico do Hospital Santo Antônio (HSA) das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), em Salvador, e a outra metade pelo Centro Paulista de Investigação Clínica e Serviços Médicos (Cepic), em São Paulo (SP).

Mas, diferentemente do estudo da terceira dose da AstraZeneca, o da Pfizer será realizado em outros países além do Brasil — Estados Unidos e África do Sul também participarão dos testes e vão recrutar, no total, cerca de 10 mil participantes.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Destaques

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, com Rondônia registrando 1.460 casos da doença e 50 mortes, o governo de Marcos Rocha, através da...