O Rondoniense
Destaques Especiais

FIQUEM EM CASA – A recomendação da quarentena não é para diversão – Por Camila Lima

Foto: Assessoria

Recomendações do Ministério da Saúde, dos Governos de Estado e Prefeituras Municipais são a mesma: FIQUE EM CASA!

Sexta-feira, 20 de fevereiro, precisamente às 16 horas os noticiários de televisão como a CNN divulgam calamidades: Rio de Janeiro chega quase o dobro de casos suspeitos de COVID – 19, sobe de oito para 11 pessoas mortas no país, diversos estados brasileiros passaram por cima das decisões que cabia somente ao Governo Federal e fecharam suas fronteiras; impedindo entrada e saída de pessoas, além do tráfego terrestre, aéreo e marítimo. Em alguns casos, cidades implantaram praticamente o TOQUE DE RECOLHER.

No estado de Rondônia, a secretarias estaduais como a Agência Estadual de Vigilância em Saúde de Rondônia (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), reforçam a necessidade dos moradores de Rondônia permanecerem em seus lares para evitar o risco de propagação do coronavírus (Covid-19).

Prefeituras do Estado de Rondônia publicaram decretos com medidas impondo restrições de circulação de pessoas nos seus municípios. Rondônia até o último Boletim diário sobre coronavírus já havia 92 casos suspeitos e um caso confirmado. O caso confirmado é considerado pelo Governo importado. O paciente é de São Paulo e estava em trânsito no município de Ji-Paraná que permaneceu na cidade por aproximadamente 48 horas.

Na noite de quinta-feira (20), a Prefeitura Municipal de Ji – Paraná divulgou uma nota e um vídeo confirmando este caso, sendo o primeiro em Rondônia, entretanto, a ocorrência demorou para entrar na contabilidade da Agevisa, que aguarda a contra-prova, em São Paulo.

Ainda não existe transmissão comunitária por coronavírus, segundo o Estado, somente casos suspeitos. Em falar de casos suspeitos, ronda pelo estado de Rondônia uma sombra. Esta sombra são os casos supostamente confirmados de pessoas suspeitas de coronavírus e que não receberam nenhuma posição ou resposta do Poder Público.

O estado de Rondônia está tentando antecipar ações para conter uma crise maior. Já possui os kits para realização de testes, mas lembrando que estamos passando por uma pandemia mundial e não há kits suficientes para os casos que estão explodindo a cada dia no Brasil e no Mundo. E quando falamos de Kits em Rondônia, temos que pensar que o Estado conseguiu somente 3.000 para uma população de 1,749 milhão de habitantes.

Neste momento não adianta culpar o Estado por estrutura ou por falta dela. Países desenvolvidos chegam a ter mais de 600 mortes em um único dia. O Ministério da Saúde já comunicou que o Brasil vai entrar em colapso até fim de abril, porém o estado do Rio de Janeiro já informou que em 15 dias prevê este colapso no estado, e São Paulo já anunciou que até sábado que entra em Estado de Crise.

Não temos muito o que fazer além de acatar as recomendações do Ministério da Saúde, dos estados e municípios. FIQUEM EM CASA!

E em falar FIQUEM EM CASA, basta circular um pouco na cidade que você vê um grande problema: Crianças nas ruas, pessoas passeando, fazendo compras, se divertindo e possivelmente não devem estar tomando as prevenções orientadas pelos órgãos responsáveis. E é exatamente este comportamento social, totalmente desligado sobre os risco de transmissão comunitária da COVID-19 que assusta tando o Governo Federal quanto os estados e municípios.

Com receio de proliferar mais o vírus e aumentar os casos suspeitos, como também confirmados, os profissionais da área de saúde imploram: NÃO SAIAM DE CASA!

 

Imagens como estas estão se espalhando como um apelo coletivo das instituições públicas e profissionais que precisam sair para trabalhar. Elas pedem que as pessoas fiquem em casa.

O Covid-19 não é um vírus qualquer e o mundo já reconhece. Líderes políticos temem o reflexo das consequências desse vírus no setor econômico, na saúde, na educação e tantos outros setores.

Esta crise que se já se instalou nos países gera um medo coletivo que paira em todos: A instabilidade econômica gerando desempregos, fome. Além disso, todos temem em perder seus entes queridos, inclusive os idosos que são os mais afetados.

É necessário entender neste momento que precisamos ficar em quarentena.

Cuidem dos seus idosos!

Cuidem das suas crianças!

Cuidem das pessoas que estão em situação de risco!

Não saia de casa, nem para a igreja!

Lave bem as mãos! Procure evitar saídas desnecessárias.

 

A população agradece!

 

Below