Início Capital Furtos à luz do dia e depredação do patrimônio tombado vem causando...

Furtos à luz do dia e depredação do patrimônio tombado vem causando revolta em ferroviários da EFMM

Há algumas semanas usuários de drogas vem furtando peças históricas do fundo do Pátio da Estrada de Ferro, sem que nenhuma providência...

54
0

No ínício dessa semana a Associação dos Ferroviários, fez tornar público a sua reprovação quanto os furtos das peças que estão dentro do complexo da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. O presidente da Associação, José Bispo de Moraes, lembrou as autoridades que existe um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) entre DER (Departamento de Estradas e Rodagens) com a participação efetiva do Ministério Público do Estado de Rondônia.

Segundo a Associação dos Ferroviários, com a remoção de uma das Locomotivas do Pátio da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, o Departamento de Estradas e Rodagens ficou com a incumbência obrigatória de armazenar e preservar legalmente as demais peças do sítio arqueológico da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. No entanto, a retirada ilegal de uma das Locomotivas não foi o bastante para a ingerência do Poder Executivo Estadual ganhar destaque negativo. Na atualidade o pátio está abandonado e os furtos continuam a todo vapor.

Contudo, fica o alerta as autoridades do Estado de Rondônia, o der de fazer o cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), pois a parte cultural de nossa cidade está em decadência.

A bagunça é tamanha em Porto Velho (RO), que nos últimos 10 anos os moradores da região, no entorno do perímetro do complexo da EFMM, disseram que ainda não viram uma ação dos poderes executivos da Capital e do Estado em prol da construção paisagística, artística e arquitetônica do complexo da Estrada de Ferro Madeira Mamoré.

Sai denúncia e entra denúncia nos órgãos fiscalizadores, mas a coisa pública não anda a favor da cultura de raiz.

Há algumas semanas usuários de drogas vem furtando peças históricas do fundo do Pátio da Estrada de Ferro, sem que nenhuma providência em relação a segurança seja providenciada. Em pleno dia alguns homens tem ido até o local e levado as peças até em carrinhos de mão.

A Associação dos Ferroviários repudia as ações de roubo das peças da Estrada de Ferro e exige um plano do governo para acabar com esse delito e uma ação efetiva da polícia para debelar a onda de assalto.

GOVERNO VAI AJUDAR

Um trabalho eficiente, seguro e confortável é o que pretende o governador Daniel Pereira, ao atender pedido de limpeza, transporte e resgate de peças e acessórios do acervo da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM).

A decisão partiu, nesta quarta-feira (25), do governador ao secretário em Chefe da Casa Civil, Eurípedes Miranda, para que nesta quinta-feira (26), homens e máquinas do DER (Departamento de Estradas e Rodagem), comecem a dar uma  nova cara aos ambientes internos do centenário Complexo Ferroviário – que dar fundo ao Cai N’Água.

Por conta de uma importante e estratégica reunião na Casa Civil, entre agentes do Governo e ferroviários, “é que ficou acordado a limpeza e substituição dos trilhos até à Vila Santo Antônio, reativação e manutenção do Cemitério da Candelária”.

– Além da subscrição de acordo com a Associação dos Ferroviários (ASFMM) e o governo do Estado objetivando manter limpo o Complexo até Santo Antônio, revelou jose bispo e George Telles, o Carioca, Vice-presidente da entidade.

Ficou acordado, ainda, “os serviços de limpeza das peças, transporte ou possíveis descartes serão fiscalizados por técnicos do IPHAN, em Rondônia, concomitantemente, com a ASFMM”, completou o dirigente.

ENTENDA O CASO – A ação do governo do Estado, segundo os dirigentes ferroviários José Bispo de Morais e George Telles, “vem de encontro ao sonho da categoria e dos cidadãos amantes da nossa Ferrovia”. Segundo eles, “o assunto vinha passando em brancas nuvens”.

Eficiente, seguro e confortável, na visão dos ferroviários ficará, a partir de agora, o Complexo Ferroviário da EFMM. O roubo de peças e fiação elétrica, pois, monturos de lixo e o mato alto das encostas, “serão suprimidos, proporcionando a moradores, visitantes e turistas ambientes aprazíveis e motivados à visitação pública livre da criminalidade”, diz Carioca.

Fonte: Da Redação (Com informações da Associação dos Ferroviários da EFMM)