Rondônia

Governo reúne representantes de Poderes para alinhar estratégias de minimização dos impactos da pandemia e manter saúde financeira de Rondônia

Elogiado pela eficiência na criação de novos leitos de UTI e ações de destaque nacional no enfrentamento da Covid-19, o governo de Rondônia também está atento a saúde financeira de Rondônia e convocou nesta quarta-feira (8) reunião do Colegiado Superior do Estado composto por representantes dos Poderes para dialogar e decidir em conjunto estratégicas de minimização dos impactos da pandemia.
Na apresentação do Plano de Solvência Financeira apresentado pelo secretário de Estado de Finanças (Sefin), Luís Fernando Pereira da Silva, foi explanado que a pandemia acentuou a necessidade de investimentos nas áreas da saúde, economia, assistência social e segurança pública, e ao mesmo tempo se faz necessário manter as demais ações de desenvolvimento, a exemplo da recuperação de estradas.

Os representantes dos Poderes pontuaram que as demandas nos órgãos também sofreram acréscimos devido a pandemia. Ao mesmo tempo que novas demandas surgiram para todos os Poderes, houve queda de arrecadação de ICMS,  o que exigiu controle de gastos dos órgãos e a sensibilização do governo federal  que apoiou o Estado com auxílio financeiro.

Pensando em resolver juntos a superação dos desafios e impactos desse período de crise epidemiológica gerada pelo coronavírus, o governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, presidiu a reunião, ouviu cada um dos representantes presentes e reforçou que preza pelo diálogo e alinhamento conjunto na tomada de decisões que beneficie de fato a população.

”Essas reuniões Colegiado Superior do Estado são muitos importantes, e a gente precisava fazer essa reunião para a  conversar e encontrar  uma solução viável para todos, considerando as obrigações que cada órgão, e esperamos que cada um leve as informações passadas para avaliar junto com a equipe técnica, considerando o interesse comum de fazer o nosso Estado verdadeiramente crescer”, afirma o governador.

Segundo o secretário Luiz Fernando, o Plano de Solvência Financeira traz não só o cenário econômico demandando pela peculiaridades da pandemia, mas também medidas para retomada econômica no pós-pandemia. Ele considera o plano um instrumento essencial criado pelo Gabinete de Crise do Estado, e ressaltou que o documento preconiza os cuidados para manter investimentos.”É muito bom o diálogo sobre os grandes temas do Estado, esse colegiado tem uma relevância muito grande para garantir que o Estado continue caminhando no rumo certo”, considera.