Destaques

Greve do transporte coletivo continua e população da Capital fica no prejuízo

Depois de ter iniciado ontem, quarta-feira (08), a paralisação dos trabalhadores do transporte coletivo de Porto Velho, gerando um prejuízo grande à população, que foi pega de surpresa, a greve continua segundo determinação do sindicato da categoria, contrariando até mesmo a multa de 200 mil reais por dia R$ 20 mil por cada ônibus parado.

 O impasse foi gerado, segundo o sindicato, por causa do pagamento do reajuste de 4%, que fora retirado pelo Consórcio SIM, empresa que detém o uso do serviço de transporte coletivo na Capital.

 A paralisação acabou fazendo que  prefeitura de Porto Velho pedisse o aumento da multa e o bloqueio das contas do sindicato junto a Justiça do Trabalho, porém a desembargadora Socorro Guimarães, apenas aumento as multas.

 Uma reunião de conciliação entre representantes do  Consórcio SIM e o Sitetuperon, ficou marcada para essa sexta-feira (10), às 14h. Porém devido a gravidade da situação com o prejuízo que está gerando principalmente à população essa reunião pode ser antecipada para hoje ainda.

 O Sindicato divulgou uma nota esclarecendo suas reivindicações. Veja abaixo:

 NOTA DO SINDICATO

GREVE GERAL TRANSPORTE COLETIVO ESSE É OS MOTIVOS DA CATEGORIA Trabalhadores do Consórcio Sim, o sindicato tentou de todas as formas resolver a situação relativa ao reajuste salarial de forma amigável e que não trouxesse transtornos para o tão sofrido povo de Porto Velho.

Ocorre que o consórcio Sim, após o pagamento dos salários nos meses de abril e maio de 2018 com reajuste de 4%, decidiu unilateralmente reduzir os salários justificando que a culpa era do sindicato por não ter aceito assinar o acordo coletivo.

Na verdade, o que se percebe é a tentativa inaceitável do consórcio Sim em utilizar o sindicato ou o movimento de greve para pressionar a prefeitura a aceitar diversos pedidos feitos em varias ações ajuizadas contra o município de Porto Velho.

O Sitetuperon não é “gado de manobra” para ser manipulado de forma inconsequente e visando apenas satisfazer os anseios do Consórcio!

Não obstante, o sindicato tentou em várias reuniões e, inclusive no Tribunal Regional do Trabalho assinar o acordo coletivo, porém o consórcio Sim insiste em não assinar justamente para que se pare o sistema e pressione a prefeitura.

No dia 06 de agosto de 2018 o sindicato foi informado que os salários não serão pagos com reajuste, porém essa razão estaremos notificando o consórcio amanhã dia 07.08.2018, para que pague até o horário bancário a diferença salarial e respectivo reflexo sob pena de deflagrado greve de 100% no dia 07 agosto de 2018, uma vez que o salário é requisito essencial e indispensável para que os trabalhadores prestem seus serviços.

Francinei de Oliveira

Presidente Sitetuperon

Fonte: Da Redação

Comentários

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios