Connect with us

Hi, what are you looking for?

Capital

HABEAS – TJ RO nega recurso para um dos condenados pela morte de Chico Pernambuco

Marcos já foi condenado a 14 anos e seis meses de reclusão, pesa sobre ele em ser um dos responsáveis da morte do prefeito de Candeias do Jamari, pego em uma emboscada próximo a sua casa.

O condenado deve permanecer preso, considerando a pena e regime aplicados, razão pela qual não verifico a ocorrência do alegado constrangimento ilegal apontado pela impetrante

O CRIME.

Sobre o crime, segundo o voto “o paciente e seus comparsas, após prévio ajuste com Katsumi Yuji Ikenohuchi Lema, Iasmin Xavier Tejas, Wellyson da Silva Vieira e Talisso Souza Oliveira, concorreram para a morte da vítima Chico Pernambuco, sendo que o paciente (Marcos Ventura) ficou responsável pela contratação de outros elementos, aquisição de armas e veículos”. O crime aconteceu no dia 18 de março de 2017, em Candeias do Jamari.

a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Rondônia negou, em habeas corpus, o direito ao apenado Marcos Ventura Brito a aguardar em liberdade o julgamento de um recurso especial, que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O réu foi condenado 14 anos e seis meses sob acusação de ter matado o ex-prefeito de Candeias do Jamari, Francisco Vicente de Souza (Chico Pernambuco) e tentado matar Bruna Blackman Mota.

A defesa do paciente sustentou, entre outros, que o Supremo Tribunal Federal (STF) firmou entendimento de que a sentença condenatória deve ser iniciada somente após o esgotamento de todos os recursos cabíveis. Porém, o relator, desembargador Daniel Lagos, narrou em seu voto que, “diferente do que argumenta a impetrante (advogada do paciente), a situação preconizada pela Suprema Corte, que alterou o entendimento jurisprudencial, refere-se a prisão de réu solto que teve confirmação de sentença condenatória em segundo grau de jurisdição”. E “o caso dos autos, refere-se ao paciente preso preventivamente, que a custodia cautelar foi confirmada na sentença condenatória (1º grau) e no recurso interposto” (apelação criminal) no segundo grau de jurisdição, no dia 4 de julho de 2019.

Ainda segundo o voto do desembargador Daniel Lagos, não há constrangimento ao paciente, uma vez que o juiz da causa negou o direito a ele de recorrer em liberdade, conforme os requisitos presentes do Código de Processo Penal (CPP). “O paciente respondeu toda a ação penal preso e nesta condição deverá permanecer, considerando a pena e regime aplicados, razão pela qual não verifico a ocorrência do alegado constrangimento ilegal apontado pela impetrante”.

Sobre o crime, segundo o voto “o paciente e seus comparsas, após prévio ajuste com Katsumi Yuji Ikenohuchi Lema, Iasmin Xavier Tejas, Wellyson da Silva Vieira e Talisso Souza Oliveira, concorreram para a morte da vítima Chico Pernambuco, sendo que o paciente (Marcos Ventura) ficou responsável pela contratação de outros elementos, aquisição de armas e veículos”. O crime aconteceu no dia 18 de março de 2017, em Candeias do Jamari.

O Rondoniense (Com informações do TJRO)

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Rondônia

Nesta manhã, a diretoria do SINPOL, reuniu-se com o Secretário de Saúde, Dr. Fernando Máximo, com o Secretário de Segurança Adjunto, Dr. Hélio Gomes...