HOMENAGEM - Adeus ao eterno menino passarinho - Por Humberto Oliveira | O Rondoniense %
Cultura Destaques Musica Videos

HOMENAGEM – Adeus ao eterno menino passarinho – Por Humberto Oliveira

Above
Com a morte, dia 15 de janeiro, do compositor e interprete Luiz Vieira,  a música perde mais um ícone. Autor de pérolas como Na asa do vento, em parceria com João do Vale, Paz do seu sorriso, Guarânia da saudade e tantas outras, Vieira iniciou a carreira cantando músicas românticas, valsas, sambas canções, imitando Vicente Celestino, no programa de Renato Murce. Foi crooner de orquestra num cabaré da Lapa. Atuou como radialista nas rádios Tupi e Record.
A canção Menino de Braçanã, de 1953, foi seu primeiro sucesso, na voz de Roberto Paiva e, em seguida, o cantor Ivon Curi também gravou. Em 1954, era cantor da rádio e televisão Record de São Paulo, permanecendo até 1961. Trabalhava na rádio Nacional, 1959. Encontro com Luiz Vieira, o programa da TV Excelsior, canal 9, de São Paulo, estreou no ano de 1962. Neste mesmo ano Vieira ganhou as paradas de sucesso com a canção Prelúdio Pra Ninar Gente Grande, mais conhecida como Menino Passarinho. Em 1963 gravou outro grande sucesso, Paz do Meu Amor (Prelúdio nº 2). Chegou a fazer diversas viagens aéreas por semana, para fazer cinco programas de televisão.
Compositor de mais de 500 composições, Luiz Vieira teve canções gravadas por nomes expressivos, dentre eles, Pery Ribeiro, para que compôs Inteirinha, a pedido de Dalva de Oliveira, mãe do jovem cantor em começo de carreira. Vieira participou dos programas Ensaio e MPB Especial, produzido e criado pelo saudoso Fernando Faro. Nos programas, o primeiro gravado em março de 1975 e o segundo, nos anos 1990, Luiz Vieira cantou seus sucessos e contou causos e histórias de sua vida e carreira.
A morte de Luiz Vieira significa mais uma perda irreparável para a nossa música. Seu nome está escrito e imortalizado na história da música brasileira.
Confira um de seus grandes sucessos:
Below

Mais sobre o autor

Almanaque | Humberto Oliveira

Almanaque | Humberto Oliveira

Humberto Oliveira nasceu em Fortaleza/Ceará, há 55 anos, mas há mais de 20 é rondoniense de coração. Jornalista formado pela Faro, mas um escrevinhador desde os 13, colecionador de filmes, livros e cds, cinéfilo desde os 5 anos de idade quando foi ao cinema pela primeira vez (o filme Branca de Neve e os 7 anões), no grandioso Cine São Luiz. Fã de Ruy Castro, Nelson Rodrigues, Woody Allen, Martin Scorsese,Nelson Pereira dos Santos, cinema noir e música brasileira. Apaixonado por cinema já ministrou cursos de roteiro e História do cinema. Participou de cinco edições do Fest Cine Amazônia, como assessor de imprensa, duas vezes na seleção de filmes, presidente de júri e jurado. Admirador e conhecedor do dramaturgo Nelson Rodrigues ministrou palestras sobre a vida e a obra deste genial autor. É casado, tem três filhos e escreve poemas em homenagem aos amigos e pessoas que admira. Seu filme predileto é O Poderoso Chefão (a trilogia). Ama filmes clássicos, mas não deixa de assistir a maioria das produções em cartaz. Também aprecia o teatro e um bom papo.