Economia

Índice de confiança da construção cai e inflação sobe em fevereiro

O Índice de Confiança da Construção, da Fundação Getulio Vargas (FGV), teve queda 1,4 ponto em fevereiro, na comparação com janeiro. O indicador chegou a 92,8 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos.

De acordo com a FGV, apesar da queda pontual, o índice registra a nona alta em médias móveis trimestrais, passando de 91,9 pontos em janeiro para 93 pontos.

A queda de janeiro para fevereiro foi puxada pelo Índice de Expectativas, que mede a percepção dos empresários da construção sobre o futuro e que recuou 5,2 pontos, para 99 pontos. Para a pesquisadora da FGV Ana Castelo, a queda pode ser explicada por questões como o ritmo da recuperação ou o aumento das incertezas em relação à continuidade do Programa Habitacional.

A confiança dos empresários em relação ao momento presente, medida pelo Índice da Situação Atual, cresceu pelo nono mês consecutivo. De janeiro para fevereiro, o indicador teve alta de 2,4 pontos e passou para 86,7 pontos, o maior valor desde dezembro de 2014 (91 pontos).

Inflação da construção

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou inflação de 0,35% em fevereiro. A taxa é superior à observada em janeiro (0,26%). O INCC-M acumula taxas de 0,61% no ano e de 4,15% em 12 meses.

Os materiais e equipamentos tiveram inflação de 0,65% em fevereiro, acima do 0,47% de janeiro. A maior alta de preços foi observada nos revestimentos, louças e pisos, que subiram 1,89% no mês.

A inflação dos serviços também subiu, de 0,37% em janeiro para 0,96% em fevereiro. O item com maior taxa de inflação foram os aluguéis e taxas (1,29%).

Já a mão de obra teve recuo na taxa de inflação, ao passar de 0,09% em janeiro para 0,04% em fevereiro.

  • AgênciaBrasil.com