Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Inep considera ruins 40% dos cursos superiores particulares

O desempenho superior das universidades públicas no ranking do Inep se mantém apesar das sucessivas medidas do governo Bolsonaro contra a educação superior gratuita

CorreioBraziliense

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou o ranking das universidades públicas e privadas. Mais de 40% dos cursos superiores de instituições particulares de ensino (com e sem fins lucrativos) tiveram desempenho considerado ruim na última edição do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). Como em outros anos, as universidades públicas receberam as maiores notas: 43% delas ficaram bem pontuadas. Entre as privadas, foram 21%, nas universidades federais, essa taxa foi de 5,3%, e nas estaduais, 11,3%.

-
(foto: -)

De acordo com Catarina de Almeida, mestre em educação pela Universidade de São Paulo (USP), os resultados do exame do Enade refletem fatores importantes na educação. “O Enade mede o resultado do aprendizado dos estudantes. Esse resultado é fruto de um processo: vem das condições de funcionamento das instituições, da qualidade do tempo e dedicação dos professores, da inserção desses estudantes em programas de ensino, da existência de laboratórios, entre outros”, explica a educadora.

Por essas razões, é comum universidades públicas e privadas apresentarem discrepância nas notas. “Notoriamente, as instituições públicas de ensino investem e desenvolvem o “tripé” do processo formativo: ensino, pesquisa e extensão. Nessas instituições, há o desenvolvimento de pesquisas, além do que, geralmente, os professores têm dedicação integral. Todo esse desenvolvimento da universidade desencadeia a qualidade do ensino que elas oferecem para seus estudantes, por isso, não é surpresa esses resultados”, afirma a professora.

Catarina de Almeida afirma, ainda, que, com a pandemia e a consecutiva perda de recursos, os resultados da avaliação na próxima tendem a vir ainda mais baixos. “É impossível a pandemia não impactar no processo de ensino nas universidade como um todo”, comenta. “O isolamento, as tensões impactam na nossa vida e, certamente, na formação e aprendizado dos estudantes”, avalia a especialista.

O desempenho superior das universidades públicas no ranking do Inep se mantém apesar das sucessivas medidas do governo Bolsonaro contra a educação superior gratuita. Além de uma forte ação política, voltada para combater a “ideologia de esquerda” e a “manipulação” no ensino, o governo federal interferiu no processo de trocas dos reitores e estruturou o programa de ampliação das escolas militares. O secretário de Educação do MEC chegou a cortar 30% dos repasses para todas as universidades federais.

Este ano, a Controladoria-Geral da União (CGU) puniu dois professores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), um deles o ex-reitor e coordenador da pesquisa nacional EpiCovid, Pedro Hallal, com uma advertência oficial por terem criticado o presidente Jair Bolsonaro. Após o procedimento da CGU, Pedro Hallal assinou um Termo de Ajustamento de Conduta.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulga balanço...

Cultura

Oi, aqui é o Álisson, prazer, quem me conhece pessoalmente sabe que sou bocudo  –  em várias variáveis, inclusive. Começo pelo meu fenótipo: boca...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...