Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Economia

Inflação volta a acelerar em maio e castiga mais pobres

Segundo levantamento do Ipea, famílias de baixa renda sofreram maior impacto com reajustes de energia elétrica, água e combustível. Crise hídrica provocada pela seca obrigou concessionárias a elevarem as tarifas acima do previsto

CorreioBraziliense

Após perder ritmo em abril, a inflação voltou a acelerar em maio e teve impacto maior entre os mais pobres, aponta estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado ontem. De acordo com a pesquisa, famílias com renda mensal inferior a R$ 1.650,50, consideradas de renda muito baixa, foram as que mais sofreram com os aumentos de preço, com inflação de 0,92% em maio. O impacto nesse grupo populacional foi quase duas vezes maior do que o registrado pelas famílias de renda alta, assim consideradas as que têm ganhos entre R$ 8.254,83 e R$ 16.509,66 por mês. Nessa faixa, a inflação foi de 0,49% no mesmo período.

Os dois setores de maior impacto inflacionário foram os de habitação e transportes, com aumentos nos preços de produtos e serviços administrados pelo governo, como energia elétrica (5,4%), água e esgoto (1,6%), gás de botijão (1,2%), gás encanado (4,6%), gasolina (2,9%), etanol (12,9%) e gás veicular (23,8%). As altas afetaram pobres e ricos, mas vale ressaltar que a classe de maior renda teve esse impacto atenuado com a queda de 28,3% no preço das passagens aéreas.

A área de saúde e cuidados pessoais também teve alta na inflação de maio, tanto com o aumento de medicamentos (1,3%), que tem maior peso para famílias de baixa renda, como no reajuste de 0,67% dos planos de saúde, que atingiu a classe de renda mais elevada.

De acordo com Maria Andreia Parente Lameiras, responsável pelos estudos de inflação e de mercado de trabalho do Ipea, alguns fatores de aumento da inflação já eram esperados, como a alta do combustível. Outros foram totalmente imprevisíveis, como o reajuste de medicamentos maior do que o esperado e a seca, que provocou elevação extra na tarifa de energia elétrica. “Os reajustes já eram esperados de algumas concessionárias de energia elétrica, mas a seca trouxe ainda mais aumentos, pois os reservatórios baixos demandam o uso de fontes de energias complementares, como energia termoelétrica, que é mais cara”, explicou a economista.

“Conta covid”

“Aumentos que deveriam ter ocorrido no ano passado não ocorreram, e agora a conta veio”, afirma Maria Andreia Lameiras. “Muitos reajustes foram postergados de 2020 para 2021 por causa da pandemia. Os planos de saúde não tiveram aumento no ano passado e, neste ano, tiveram uma correção acima da média. A energia elétrica subiu menos em 2020 e, além dos reajustes da seca, agora estamos pagando a conta-covid”, explica.

Essa conta tem sido sentida por milhões de brasileiros, como a administradora de empresas Aparecida Helena Alves, de 55 anos. Ela relata que os aumentos nas contas de água, luz, supermercado e gasolina têm impactado, consideravelmente, o seu dia a dia. “Meus gastos com combustível, por exemplo, têm sido cerca de 40% a mais do que antes, mesmo trabalhando em sistema híbrido — presencial e em casa— durante a pandemia”, conta.

Gás chega a R$ 125 no Centro-Oeste

 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

Entrou ontem em vigor o aumento de 5,9% do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), anunciado pela Petrobrás na sexta-feira. Com o novo ajuste, o valor de comercialização máximo do botijão de 13kg volta para R$ 125, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), e é o observado na região Centro-Oeste.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, foram registrados 14 aumentos no botijão de gás doméstico, um dos itens na lista de produtos e serviços altamente inflacionados. Com a vigência do reajuste, o preço por quilo do gás aumentou R$ 0,19, passando para R$ 3,40, e o preço médio para o botijão de 13kg passou a ser de R$ 44,20 nas refinarias.

Impostos

Além do preço por quilo do produto, são adicionados ao valor final do botijão a fatia da distribuição e revenda (35,6%) e dos impostos estaduais (ICMS), de cerca de 14%. O governo zerou os impostos federais (PIS/Cofins) que representavam menos de 1% do preço na refinaria.

Apesar do crescimento de 1,2% no PIB do primeiro trimestre de 2021, o consumo das famílias caiu. Por essa razão, o economista Fernando Aquino, membro do Conselho Federal de Economia, associa o aumento do preço do gás à pressão de custos, e não a uma questão de demanda. “Os principais fatores a serem observados são o valor do dólar e uma desorganização das cadeias produtivas que ocorreram com a pandemia. O aumento do preço no mercado internacional e a taxa de câmbio bastante alta têm afetado a Petrobras, e isso acaba pesando nas distribuíções”, explica.

Para Aquino, por se tratar de um item indispensável na cesta de consumo do brasileiro, o gás deveria ter uma redução de impostos, provisoriamente, por parte do governo, “para amenizar o peso do aumento nas famílias de baixa renda”. (FF)

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Destaques

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, com Rondônia registrando 1.460 casos da doença e 50 mortes, o governo de Marcos Rocha, através da...