Destaques Rondônia

João Paulo II possui 88 servidores com coronavírus; Estado pode voltar atrás com a liberação do comércio caso aumentem os números de coronavírus

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Fernando Máximo,  subiu para 88 o número de profissionais da saúde infectados por Coronavírus que atuam no Pronto Socorro João Paulo II. O pronunciamento foi durante coletiva realizada na tarde desta segunda-feira (27).

A Sesau informou um boletim parcial, na qual confirma que os confirmados de Covid-19 em Rondônia chegaram a 393, e somente em Porto Velho, foram registradas 65 internações e uma em Cacoal, destes internados, 44 apresentaram resultados positivo para a doença e 21 são suspeitos. Outros 81 pacientes estão aguardando o resultado do exame para Coronavírus e 10 óbitos foram confirmados no Estado.

De acordo com a Sesau, 100 servidores do Hospital João Paulo II que realizaram o exame para Covid-19, apresentaram resultado negativo e já retornaram aos postos de trabalho. Dois servidores que foram infectados com a doença, foram curados e retornaram as suas atividades. Aproximadamente 260 exames já foram realizados.

Contudo, não são somente servidores do João Paulo II que estão aguardando exames, no Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro, 14 servidores aguardam o resultado do exame para Coronavírus.

Fernando Máximo ressaltou que os casos suspeitos são os que mais lotam os hospitais. “Se a gente tem quatro pacientes com Covid-19, podemos colocar todos em uma única enfermaria, mas se for suspeito, nós temos que deixar um em cada enfermaria, separados, até que saia o resultado do exame”.

A Sesau, segundo o secretário, está trabalhando para coletar dados sobre casos de Coronavírus confirmados ou suspeitos na rede privada do Estado. “Os dados de pacientes internados na rede privada, nós teremos provavelmente de forma fidedigna a partir de terça-feira (28). Nós ficamos com receio de divulgar errado por isso estamos trabalhando para coletar da melhor forma possível esses dados. No boletim de amanhã, esperamos que já saia com os dados da rede privada”, explicou Fernando Máximo.

Sobre a contratação de leitos clínicos e UTI no Hospital do Coração de Rondônia, o Prontocordis, por três meses, o secretário disse que ainda não foi firmado o contrato. “Nós temos uma equipe de fiscalização dentro do hospital analisando para ver se realmente está apto para receber os pacientes. Deve ser firmado muito em breve esse contrato. Lembrando que tudo foi feito as claras”, disse Fernando Máximo.

Sobre a liberação de diversas atividades comerciais no Estado, esteve presente na coletiva, o procurador do Estado, Maxwel Mota, informando que se houver um aumento significativo de casos confirmado e de morte por Coronavírus, o Estado pode voltar atrás e mandar fechar o comércio. “Se houver um aumento substancial, a gente pode retroceder e isso depende muito da forma que a população vai se comportar referente as dicas de proteção”, finalizou o procurador.