Cultura Filmes Videos

John Ford, o Homero do cinema norte americano – Por Humberto Oliveira

Ao ser convidado para protagonizar A mocidade de Lincoln, Henry Fonda, a princípio recusou, pois em seu ponto de vista seria como interpretar Deus. Quando o diretor John Ford soube da recusa, não pensou duas vezes, foi conversar com o ator. Bem a seu modo rústico e direto, o diretor disse – Quem você pensa que vai interpretar, o grande estadista e presidente? Claro que não. Seu papel é o sde Lincoln ainda jovem e no começo da carreira de advogado. Depois do pito, Fonda aceitou o papel.

 

Realizado em 1936, A mocidade de Lincoln é um.daqueles filmes que os mais ranzinzas chamariam de ufanista e americanófilo até a medula, do primeiro ao último frame. Cada quadro está a serviço da história e da personalidade marcante de Lincoln, sua presença de espírito e capacidade ímpar de suplantar desafetos e desafios. Fotografado em belíssimo branco e preto, a câmera ágil de Ford acompanha os passos iniciais do futuro presidente como advogado disposto a salvar a vida de dois rapazes acusados de assassinar um encrenqueiro. A cidade revoltada tenta linchar os jovens na delegacia, mas Lincoln, com seu jeito despretensioso acaba convencendo a mudarem de ideia, pois os acusados mereciam um julgamento justo, antes do enforcamento. Tudo parece conspirar contra os rapazes, inclusive quando uma testemunha ocular assegura que os viu matando a vítima. No último momento, Lincoln reverte a situação e de quebra ainda faz o verdadeiro criminoso confessar.

A performance de Fonda é uma das melhores de sua carreira. Usando próteses e maquiagem para ficar mais parecido com Lincoln, o ator imprime dignidade ao papel extrapolando a dimensão dada por Ford ao personagem histórico muito antes de se transformar no presidente mais amado dos Estados Unidos em todos os tempos.

A mocidade de Lincoln não é uma obra prima, mas merece ser visto por sua mensagem. Na cena final, Lincoln é cumprimentado por um opositor que falara mal dele. O sujeito o parabeniza e pede desculpas pelo que disse e por o subestimar.  O resto é história.

Trailer de “A mocidade de Lincoln”…