Cultura Filmes Geral

LEITURA OBRIGATÓRIA – Trio de ouro de grandes cineastas – Por Humberto Oliveira

Lançado em 1985 pelas edições Cinemin, este livro apresenta um detalhado compêndio da obra e carreira dos diretores John Huston, Ernest Lubitsch e Fred Zimmermann. Uma exaustiva e criteriosa pesquisa, o livro é uma fonte permanente e valiosa para todos interessados em cinema.

Escrito em dupla por A. C. Gomes de Matos e Sérgio Leemann, o livro é repleto de fotos e divido em três partes. A primeira aborda a filmografia de John Huston, desde sua estreia como diretor com o clássico Relíquia macabra até o penúltimo longa, A honra do poderoso Prizzi. Huston é um dos melhores e foi um dos mais ecléticos cineasta em Hollywood. Dirigiu de filmes noir a western, de dramas a musicais, filmes de guera e adaptações de obras literárias.

Em seguida, vem a parte dedicada a Ernest Lubitsch, um cineasta dotado de estilo próprio de contar uma história, a exemplo de Orson Welles e Alfred Hitchcock, um dos emigrados que ajudaram a definir a Hollywood dos anos 1920 e 1940.  A terceira parte é dedicada a Fred Zimmermann, sua obra se reveste de conceitos particulares. A filmografia deste austríaco, como Billy Wilder, vai do curta metragem ao documentário, passando pelos filmes B, culminando no realismo contundente de longas metragens como A um passo da eternidade, Perdidos na tormenta, O homem que não vendeu sua alma. Zimmermann também responsável pela estreia cinematográfica de Marlon Brando, no dramático Espiritos indomitos e um dos western imortais do cinema, o clássico Matar ou morrer, estrelado por Gary Cooper, que ganhou seu segundo Oscar por sua atuação e Grace Kelly.

Quando adquiri o livro, quatro anos depois de lançado, conhecia poucos filmes comentados pelo excelente A.C. Gomes de Matos. Passados tantos anos, assisti 80 por cento deles, principalmente os de Huston e Zimmermann. De Lubitsch, vi apenas Ser ou não ser. Mas, não há como assistir a todos os filmes. Quanto ao livro, li, reli, li novamente e tenho sempre pesquisado, pois tem sido fonte inesgotável de informações.