politica

Léo Moraes pede que deputados não aprovem perdão de dívida da Energisa em RO

De acordo com Léo Moraes, se a Energisa não perdoa as contas, o cidadão rondoniense também tem o direito de receber a dívida da empresa com ele

O deputado federal Léo Moraes (PODEMOS) se posicionou contrário à aprovação do Projeto de Lei, apresentado pelo Governo de Rondônia a ALE/RO, para perdoar, entre outras empresas, uma dívida de aproximadamente R$ 2 bilhões da Energisa com o estado de Rondônia.
O congressista pediu apoio dos deputados do parlamento estadual de Rondônia para que não seja aprovada essa lei considerada por ele como “absurda”.
“Atualmente, o projeto está na Assembleia Legislativa e contamos com o apoio dos Deputados Estaduais de não aprovarem esse absurdo. Porque não usaram essa mesma boa vontade para perdoar as multas e juros sobre as taxas do DETRAN e do IPVA? Ou só é válido beneficiar empresas milionárias?”, indagou Léo Moraes.
De acordo com Léo Moraes, se a Energisa não perdoa as contas de luz atrasadas do cidadão rondoniense e sumariamente corta seu fornecimento, o cidadão rondoniense também tem o direito de receber a dívida da empresa com ele.
“Não aceitaremos em hipótese alguma isso ir pra frente. A Energisa é uma empresa que beneficia sim milhares de famílias através dos empregos, mas em contrapartida humilha e maltrata e muito nossa população, pessoas que antes pagavam 150 reais pagam hoje 350 reais, tendo as mesmas coisas dentro de casa”, falou Léo Moraes.
Membro da Comissão de Minas e Energia no Congresso, Léo Moraes encabeçou a frente que pede a quebra do contrato da Energisa junto ao Governo Federal em decorrência das diversas denuncias de práticas abusivas cometidas pela empresa nos estados onde atua dentro da Federação brasileira.
Léo Moraes também é responsável pela realização de uma Audiência Pública do Congresso Nacional em Porto Velho que colocou a comunidade e autoridades politicas frente à diretores da Energisa onde foram expostas os problemas relacionados à forma que a empresa vem atuando em Rondônia.
Assessoria