Capital Rondônia

Máscaras de Proteção são entregues no Porto de Porto Velho

A ação de conscientização e prevenção contra o coronavírus foi realizada na manhã da sexta-feira (8) no Porto Público de Porto Velho, com a entrega de kits para motoristas, trabalhadores portuários avulsos e operadores portuários a fim de evitar a disseminação do vírus.

Diretores e funcionários percorreram os pátios do poligonal portuário entregando máscaras, lixocar e panfleto com instruções acerca dos principais sintomas e modos de transmissão da doença.

Os guardas portuários também viraram agentes de conscientização e passaram a abordar os motoristas nas guaritas. “Temos tido boa receptividade e adesão dos motoristas. Muita gente sabe dos riscos e está disposta a colaborar na contenção do vírus”, afirmou o guarda portuário Sávio Roberto Melo.

Carlos Alberto Defface, motorista há 20 anos, parabenizou a iniciativa da administração do Porto Público de Porto Velho. “Sou motorista independente e apesar de morar em Vilhena (RO) há cerca de 19 anos, tenho minhas responsabilidades financeiras em casa que não posso deixar de honrar. Preciso trabalhar e receber essas orientações é muito importante. Quando venho ao Porto, fico cerca de 3 dias para descarregar a soja e levar o fertilizante de volta. O vírus não pode me impedir de levar o sustento da minha família, mas também tenho que tomar os devidos cuidados. Tenho 53 anos, sou gaúcho e tenho a consciência que não posso dividir o chimarrão como antes, evitar ficar aglomerado ou até mesmo cumprimentar com as mãos”, frisou Carlos.

Para o diretor presidente da Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (Soph), Fernando Cesar Ramos Parente, a atividade de sensibilização e conscientização dos motoristas no combate à disseminação do vírus é também para preservar vidas. “Exercemos uma função essencial para o estado de Rondônia e não podemos paralisar nossas atividades. O produto escoado é perecível, não pode ficar estocado por muito tempo, mas, podemos fazer isso da maneira mais adequada, seguindo as orientações das organizações de saúde, preservando vidas”, finalizou Fernando.

Secom