Educação

MEC quer colocar 1,7 milhão de crianças na creche até fim de 2020

Ministro prometeu cumprir as metas, universalizar a pré-escola no país e atingir o percentual de 50% das crianças em colégios nos próximos meses

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse, nesta quinta-feira (11/07), que a pasta pretende incluir 1,7 milhão de crianças em creches até o final do ano que vem. 

A meta faz parte do Compromisso Nacional pela Educação Básica, apresentado nesta nesta quinta-feira (11/07) pelo ministro da Educação e pelo secretário de Educação Básica, Jânio Macedo.

“Vamos cumprir as metas e a mais óbvia é a universalização da pré-escola, o que é um absurdo não estar universalizada, e chegar a 50% das crianças na creche. É botar nas creches 1,7 milhão de crianças e acredito que seja possível já no ano que vem”

Disse o Ministro da Educação Abraham Weintraub.

Para as creches, o compromisso prevê a reestruturação do Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição para a rede pública de Educação Infantil (Proinfância) para dar mais celeridade na conclusão de 4.000 creches até 2022. Até agora, menos de 50% das obras foram concluídas.

O compromisso pela educação básica tem ainda metas para o Ensino Fundamental e para o Ensino Médio e Técnico. Os outros eixos são Educação Conectada, Formação de Docentes e Escolas cívico-militares e o Retorno Social da educação.

O planejamento estratégico foi elaborado pelo MEC em colaboração com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

A educação básica é o foco da gestão atual do MEC. Em audiência na Câmara dos Deputados em maio, o ministro disse a educação básica no Brasil, incluindo creche, pré-escola e os primeiros anos de alfabetização, está defasada. “Cinquenta por cento das nossas crianças passam pelo ensino fundamental sem aprender a ler, escrever e fazer conta.”

Comentários

Fonte
R7.com
Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios