Destaques Rondônia Saúde

Médico envia desabafo para o secretário Fernando Máximo sobre suas ‘práticas politiqueiras’

Está circulando nos grupos do whatsapp, uma mensagem do chefe do Departamento de Medicina da Universidade Federal de Rondônia – UNIR, professor Dr. José Ferrari, na qual acusa o secretário de Estado de Saúde, Fernando Máximo, de práticas politiqueiras.

No texto abaixo, o médico também critica Fernando Máximo de ignorar o apoio acadêmico de quase 40 médicos formados, além do apoio com a pesquisa acadêmica para reforçar o combate ao COVID – 19.

Segue o texto:

Dr. Fernando Máximo,

Tenho mantido minhas mensagens para o senhor em caráter estritamente reservado! Ao término da redação desta mensagem, divulgarei o conteúdo desta aos inúmeros grupos do qual faço parte! Perdi o respeito e a paciência com o senhor é seu apetite politiqueiro!

Saiba! Temos 40 quase médicos (internos) que devem cumprir mais três meses do estágio obrigatório para receberem seus diplomas! Todos foram afastados das atividades curriculares por conta das recomendações da OMS para “ficar em casa”.

Já disse e reitero: podemos trazer estes quase médicos para o front e, após um breve treinamento, ajudar a salvar muitas vidas! Podemos, inclusive,superar, rapidamente, algumas dificuldades e implantar aqui em nossa capital, protocolos de tratamento com o soro de indivíduos sabiamente imunizados o que parece bastante promissor no combate à doença! Já me ofereci, como Diretor do Departamento de Medicina da Unir, para auxiliar no enfrentamento desta pandemia que aterroriza e ceifa milhares de vidas em todo o planeta! A doença avança impiedosa!

Recebo como retorno suas respostas lacônicas, quase irresponsáveis!

O senhor se tornou uma estrelinha midiática! O preço a pagar pode ser elevado e irreversível!Repense suas atitudes juvenis! Não seja este Secretário Dente de Leite! Estamos lidando com o Bem Maior que é a Vida das pessoas que escolheram este canto do mundo para viver, criar a família e seus filhos!

Reitero: ao contrário das demais, esta mensagem será divulgada em vários grupos de médicos e não médicos!

Insisto: tenho 63 anos de idade e faço parte do grupo de risco! Não temo ir para o front desta guerra acompanhado de meus jovens e valentes soldados!

Carta do Prof. Dr. José Ferrari – Chefe do Departamento de Medicina da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). 

Perseguição (?)

Semana passada, o Secretário de Saúde também foi acusado de levianamente transferir o médico e ex-Coordenador da Urgência e Emergência do Pronto Socorro João Paulo II, Vinícius Ortigosa Nogueira. O motivo da mudança de cargo, seria uma retaliação pelas críticas que fez contra  Fernando Máximo e ao governador coronel Marcos Rocha ao apresentar críticas ao governo de Rondônia.

O médico teria apresentado uma análise que contribui para o Plano de Contingência do COVID-19, junto ao Tribunal de Contas do Estado de Rondônia (TCE/RO) e ao Conselho Regional de Medicina de Rondônia (CREMERO).

Em resposta feito pela sua assessoria, Fernando Máximo tinha feito a transferência dos melhores médicos para o Cemetron para que todos pudessem auxiliar na recuperação de pacientes que chegassem em estado grave com COVID-19.

Em relação a carta do Médico Dr. Ferrari, a assessoria de comunicação informou que o chefe da pasta de saúde do estado não irá responder por entender que se trata de um ataque pessoal.