Início Mundo Mídia americana destaca pontos controversos em discurso de Donald Trump

Mídia americana destaca pontos controversos em discurso de Donald Trump

O Rondoniense Mídia americana destaca pontos controversos em discurso de Donald Trump
O Rondoniense Mídia americana destaca pontos controversos em discurso de Donald Trump

Durante seu discurso sobre o Estado da União, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, incorreu em várias falsidades, enganos ou exageros segundo os “Fact Checks” (sistemas de verificação de dados) dos veículos de imprensa americanos.

Trump afirmou na terça-feira, diante do Congresso, que desde sua chegada à Casa Branca foram criados cerca de 5,3 milhões de empregos, 600 mil deles na indústria, “algo que quase todos disseram ser impossível fazer”.

Dados oficiais coletados pelo jornal “The New York Times” indicam que os empregos criados nos EUA desde janeiro de 2017, foram 4,9 milhões, 454 mil deles no setor industrial. Trata-se de um ritmo comparável com um período de dois anos durante o mandato do seu antecessor Barack Obama e menor do que na década de 1990, quando se trata de indústria.

O presidente também disse que a economia americana é “a mais dinâmica do mundo”, mas a China, Índia, Lituânia, Polônia e inclusive a Grécia, crescem duas vezes mais rápido que os EUA. Além disso, diversos analistas alertam que a economia americana se desacelerou 3,5% no terceiro trimestre de 2018.

Ainda na esfera econômica, abraçando um discurso feminista, Trump ficou satisfeito por “ter cada vez mais mulheres trabalhando” em seu país, mas essa afirmação foi enganosa já que, segundo os dados oficiais utilizados pelo “NYT”, a porcentagem de mulheres no mercado de trabalho é de 55,2%, enquanto em 2000, alcançou um pico de 58%.

Trump também afirmou no seu discurso, que antes da construção de um muro com o México na cidade fronteiriça de El Paso, esta região do Texas era considerada “uma das mais perigosas do país” pelas suas taxas de violência “extremamente alta”.

No entanto, a verdade é que ao contrário de sua vizinha Ciudad Juarez, no México, El Paso nunca esteve entre as cidades mais perigosas dos Estados Unidos e antes da construção do muro nesta região, em 2008, figurava, de fato, entre as mais seguras comparada com outras de seu tamanho, de acordo com o jornal “The Washington Post”.

Falando sobre o aborto, o presidente disse que o governador democrata da Virgínia, Ralph Northam, “afirmou que executaria um recém-nascido”.

Northam, no entanto, disse que apoiava o aborto em um estado avançado da gravidez, mas não a execução de um recém-nascido.

EFE Washington